Animal acusado de ser responsável pela covid-19 pode ser a solução para tratá-la

Alguns investigadores indicaram o pangolim como possível culpado pelo novo coronavírus. Agora, um novo estudo sugere que o animal pode servir de exemplo para encontrar um tratamento para a doença.

O pangolim, um pequeno mamífero em risco de extinção e um dos animais mais contrabandeados do mundo, foi acusado de ser o transmissor do novo coronavírus. Investigadores da Universidade de Agricultura do Sul da China identificaram o pangolim como o “possível hospedeiro intermediário” que facilitou a transmissão do vírus.

Agora, um novo estudo publicado na semana passada na revista científica Frontiers in Immunology, aponta este animal como parte da solução para um tratamento eficaz contra a doença. O pangolim tem uma estranha resposta imune ao coronavírus que tem intrigado vários cientistas.

Uma equipa de investigadores analisou dados do genoma de pangolins e compararam as suas sequências genómicas às de outros animais. Os cientistas descobriram que os pangolins conseguem tolerar o coronavírus, apesar de não terem nenhum tipo de defesa antiviral usada pela maioria dos outros mamíferos.

Os pangolins não têm dois genes que normalmente desencadeiam uma resposta imune. “Descobrimos que, como os morcegos, os pangolins têm um defeito genético na resposta a vários vírus, provavelmente incluindo os coronavírus”, disse à Inverse o autor correspondente Leopold Eckhart, investigador da Universidade Médica de Viena.

No caso do novo coronavírus, a maioria dos analistas aponta o morcego com fonte primária: segundo um estudo recente, os genomas do novo coronavírus são 96% iguais aos que circulam no organismo daquele animal.

A resposta dos pangolins é relevante uma vez que a forma como o sistema imunológico de algumas pessoas reage à covid-19 pode explicar a razão pela qual elas ficam especialmente doentes. A resposta “causa mais danos do que o próprio vírus”, explica Eckhart. Embora não seja regra geral, pode ocorrer em 15% dos pacientes de covid-19.

“Acreditamos que os pangolins têm outra maneira eficaz de lidar com infeções por vírus”, diz Eckhart. “Essa resposta até agora desconhecida pode ser interessante para o desenvolvimento de novos tratamentos para pacientes com infeções virais”.

O investigador ainda não sabe se as descobertas feitas através do seu estudo podem ajudar a encontrar um tratamento para a doença. Ainda é demasiado cedo para isso, realça. No entanto, tem esperanças que possa fazer parte da solução.

“Acho que ainda podemos obter muitas ideias novas que podem ser relevantes para a medicina”, antecipa Eckhart.

ZAP //

Partilhar esta notícia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *