Plantel do FC Amares praticamente fechado para ‘atacar’ Pró-Nacional

Campeonatos encerrados devido à pandemia, definidas as subidas de divisão, é altura de começar a olhar para o futuro. O FC Amares conseguiu subir de divisão, desejo assumido por todos, e a direção já está a trabalhar para enfrentar a Pró-Nacional: “queremos afirmarmo-nos nesta divisão”, refere o presidente Olivier Silva em entrevista ao ‘Terras do Homem’.

Como viu todo este imbróglio à volta dos campeonatos? A solução encontrada foi a melhor?
A solução encontrada no meio deste imbróglio devido ao Covid-19 e que interrompeu de forma abrupta o campeonato, foi a melhor. Isto porque reconhece o mérito desportivo às equipas que tinham ambições de subida, que viram o trabalho desenvolvido até à paragem recompensado. As equipas que estavam na luta pela manutenção também não foram prejudicadas por esta decisão. No melhor do pior, esta foi a solução mais justa sem prejudicar ninguém.

Com a subida de divisão concretizada, o que se pode esperar do FC Amares na próxima época?
Do FC Amares para a próxima época podemos esperar sempre muito trabalho, esforço, dedicação e, sem dúvida, muita ambição. Esta equipa subiu de divisão com o objetivo claro e definido de jogar o jogo pelo jogo, tentando sempre conquistar os 3 pontos.
Estaremos na Pró-Nacional para nos afirmar, cumprindo com o que foi delineado por esta direção no início do seu mandato. Trabalhamos afincadamente para que jogadores de grande qualidade possam integrar este grande clube lutando para atingir lugares de subida. Deixo a garantia que estamos a trabalhar muito para termos uma grande equipa que possa jogar e praticar um bom futebol.

Que alterações irão ser feitas?
Não irão ser feitas grandes alterações. O nosso objetivo vai ser continuar com a mesma mentalidade, tentando ano após ano sermos os mais profissionais possível e sendo cada vez maiores e mais fortes.

Haverá um aumento do orçamento global para fazer face às exigências da Pró-Nacional? De quanto?
Sim, irá haver um aumento do orçamento para fazer face à Pró-Nacional e ao que ambicionamos. É difícil, nesta altura, quantificar o aumento, mas os elementos da direção e eu iremos empenharmo-nos, todos se vão dedicar e esforçar ao máximo para termos um orçamento condizente com as nossas ambições, ter jogadores acima da média.
Uma coisa é certa: sem fazer esforços financeiros nunca será possível ter as pretensões e os objetivos que temos e queremos para o clube bem como atrair os jogadores que desejamos para dar corpo e alma às nossas ambições. Sem um aumento do orçamento teríamos de nos contentar com uma base média de jogadores. O que posso afirmar é que queremos fazer uma equipa bastante competitiva, respeitando sempre o orçamento e não entrando em folias.

Que ideias é que tem para reforçar esse orçamento?
Primeiro que tudo é trabalho, isso sim é muito importante. Depois queremos comunicar de uma maneira diferente com os nossos associados acarinhando-os de uma forma totalmente diferente.
Pretendemos organizar uma série de eventos ao longo do ano para sócios e não sócios. Os sócios dão ao clube vontade de viver, nós pretendemos dar-lhes alegrias e fazer com que se sintam em casa. Por isso, queremos concluir a nossa sede que será um espaço para as pessoas cortarem um bocado com a sua rotina diária e desligarem-se dos seus problemas.

O reforço da equipa, que é necessário, será feito em que moldes?
Os moldes para reforçar a equipa são sempre feitos em colaboração com a nossa equipa técnica, juntado mais qualidade a que atualmente existe, reforçando a equipa com jogadores de experiência de Pró-Nacional ou acima se surgirem boas oportunidades de negócio e que queiram fazer parte do projeto e da aventura do FC Amares.
Nesta altura, temos o plantel praticamente fechado.

Quais são as ambições da direção para a próxima época?
As ambições desta direção são sempre as mesmas: não é ser melhor que ninguém, mas sim sermos melhores do que éramos antes. Ser, a cada dia que passa, mais unidos, mais fortes, mais dinâmicos melhorando em relação à época transata.

Em termos de infraestruturas, as atuais chegam para o clube atingir os objetivos? Que ideias tem nesta matéria?
As infraestruturas atuais são suficientes para levar o nosso projeto a bom porto e atingir os nossos objetivos. Mas se pretendermos ser mais ambiciosos e mais profissionais indo além do nosso projeto, aí sim, teremos de rever as necessidades.
Precisaríamos de um Pavilhão Multiusos que acolhesse todas as nossas modalidades centrando-as na nossa casa. Avançando para a criação de uma escola de futebol de formação com equipas de vários níveis, obrigaria o clube a ter outro campo sintético.
Atualmente temos sete equipas que vão do escalão de petizes até aos Juniores num só sintético. Suponhamos que num destes escalões, no futuro, teríamos uma geração de jogadores com uma qualidade acima da média e melhor dotados técnica e taticamente que os outros, teríamos assim de realizar um trabalho específico e por níveis com eles. Se a escola de formação viesse a existir, não tenho dúvidas que ninguém estaria contra um novo sintético, isto representaria um grande passo para o concelho de Amares.

O relvado está em condições para assegurar uma época sem sobressaltos?
Sim, o nosso relvado está em perfeitas condições para assegurar uma época sem sobressaltos. Aproveito para deixar uma palavra de agradecimento à Câmara Municipal porque tem sido incansável no seu trabalho. Sou muito agradecido, também, às pessoas que se dedicam diariamente ao tratamento do nosso relvado.
Tanto é assim, que este ano fomos escolhidos pela Seleção Feminina de Sub19 da Alemanha, atual Campeã do Mundo do mesmo escalão, para treinarem, no nosso relvado. Recebemos igualmente a Seleção Feminina Portuguesa de Sub19, as equipas de Sub23 do Rio Ave FC, Sporting Clube de Portugal, FC Famalicão e por último e não menos importante o Vitória SC que competem na Liga Revelação.
O facto de todas elas escolherem o nosso terreno de jogo e, ao mesmo tempo, ser autorizado pela Federação Portuguesa de Futebol comprova a qualidade do mesmo. É verdade que nós temos um grande cuidado, mas não é menos importante o facto de termos um Presidente de Camara, Manuel Moreira, que faz de tudo para que a equipa principal do concelho tenha um relvado perto do Profissional, possibilitando desta forma a prática de um bom futebol. Com toda a gente a puxar para o mesmo lado é fácil ter ambição.

O que falta, na sua opinião, para o FC Amares ser mais competitivo e poder, por exemplo, chegar ao Campeonato de Portugal?
Na minha modesta opinião falta começar a próxima época, esperando que o Covid-19 nos deixe fazer o que pretendemos para que possamos estar nos lugares cimeiros de Pró e quem sabe subir ao Campeonato de Portugal, temos essa ambição.

O protocolo existente com o Rendufe é para manter, será modificado? Quais são as ideias neste aspeto?
Sim, o protocolo com o Rendufe é para manter, vai ser oficializado e tornado público para que todos saibam da sua existência. Para mim, o Rendufe é como um clube irmão, eles têm um grande Presidente e a minha intenção clara é haver uma entreajuda permanente sem equívocos, ajudando o Rendufe a atingir outros patamares.
Os nossos jovens poderiam ir para o Rendufe ganhar experiência e maturidade. Estou muito otimista em relação ao futuro. Não deveria haver rivalidades ente o FC Amares, Rendufe FC e GD Caldelas, mas sim, uma ajuda e colaboração entre todos. Todos eles têm ótimas condições e nós só queremos o melhor para todos.
E dou um exemplo: se um destes clubes tivesse um jogador de nível superior, nós estaríamos disponíveis para o receber e ajudar na sua formação e no seu desenvolvimento profissional. Era algo que eu faria sem problema algum. O pior que pode haver é ter jogadores muitas das vezes parados a precisar de competição e não puderem fazer aquilo que mais gostam.

Para quem disse várias vezes que o FC Amares era uma casa a arder em que estado se encontram as finanças do clube?
Hoje em dia essa questão já não se coloca. Estamos concentrados a fazer o nosso trabalho, em prol do clube, o passado já lá vai. O que nos interessa é o presente e o futuro do nosso clube. O Amares é dos sócios e todos os presidentes tentaram fazer o melhor, cada um à sua maneira.
O que mais interessa agora é o presente e o futuro. Pretendemos que os amarenses sintam orgulho nos resultados e no seu clube. Hoje em dia gerir um clube não é fácil e o FC Amares visto o seu historial não foge à regra.

A afirmação de um clube passa, também, pelo seu ecletismo. Para além da patinagem e do futsal, pode haver mais modalidades nos próximos tempos? Quais?
Sim, podem vir a surgir outras modalidades no futuro tais como o Voleibol, Andebol, Basquetebol, entre outras. Mas para isso gostaria de concretizar o projeto do Pavilhão Multiusos para dar a essas modalidades as condições que merecem. É preciso que se sintam em casa e para isso, precisam de estar próximas do clube. É diferente do que treinar e jogar fora da sua casa mesmo que, continuemos a sentir um grande orgulho pela sua existência.
Infelizmente o projeto de futsal na próxima época irá sofrer uma interrupção. A razão principal para isso é que o técnico responsável pela equipa vai fazer uma pausa, é uma pessoa em quem eu confio muito e deposito muitas esperanças.
Temos o karaté liderado por um dos vice-presidentes, Jorge Silva, que é uma pessoa com uma grande alma, um grande amarense que desempenha um trabalho muito bem ocupando-se a 100% desta modalidade.
Na patinagem estamos igualmente muito bem representados, pela Professora Paula Cruz, modalidades essas, que merecem também excelentes condições para continuar a desenvolver o seu trabalho. Um FC Amares eclético faz todo o sentido, mas para isso, é preciso fazer as coisas com cabeça, tronco e membros, isto é, ter projetos sólidos, bem pensados e com futuro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *