Amesterdão destitui Londres e volta a ser o principal centro financeiro da Europa

Amesterdão destituiu Londres para se tornar o maior centro de negociação de ações da Europa, levando a negociação de volta para onde tudo começou.

No início do século XVII, o centro financeiro do mundo não era Londres, Nova Iorque nem Tóquio. Era um prédio de câmbio construído por mercadores no rio Amstel, em Amesterdão. Foi a época da Idade de Ouro holandesa, quando a sua ciência, cultura e comércio estavam entre os mais celebrados do mundo.

Embora os certificados de ações tenham sido emitidos pela primeira vez em 1288, quando a empresa sueca de mineração de cobre Stora concedeu ao bispo de Västerås a propriedade de 12,5%, não foi até o início do século XVII que a negociação de ações organizada começou a surgir.

Aconteceu pela primeira vez em Amesterdão, quando a Companhia Holandesa das Índias Orientais emitiu ações ao público pela primeira vez. Esta foi a primeira oferta pública inicial (IPO) do mundo e forneceu o capital para alimentar o crescimento desta trading company para se tornar uma das maiores multinacionais da época.

No seu auge, a Companhia Holandesa das Índias Orientais valia mais do que a Apple, Google e Facebook juntos.

Dois fatores geográficos desempenharam um papel importante para que Amesterdão se tornasse um importante centro financeiro. Uma parte significativa da famosa planície da Holanda costumava ficar submersa, o que significava que os holandeses costumavam emprestar dinheiro para financiar projetos de recuperação de terras.

A Holanda também foi fortemente urbanizada, com um grande número de pessoas disponíveis e dispostas a investir o seu dinheiro.

Os mercado de futuros, que permitem às pessoas apostar no preço futuro de certos ativos, também surgiram em Amesterdão durante o século XVII, refletindo a sofisticação crescente das atividades financeiras na cidade.

A atividade mais notável centrava-se na tulipa, que eram transportadas para países como a Turquia. À medida que os preços de alguns bulbos de flores atingiam níveis extraordinariamente altos e depois desabavam drasticamente, a “mania das tulipas” é geralmente considerada a primeira bolha especulativa registada na História.

A ascensão de Londres
Apesar do domínio holandês inicial no comércio financeiro, o comércio de ações organizado tomou forma com o advento da Joint Stock Corporation Act no Reino Unido em 1844. Juntamente com a revolução industrial, isto estimulou o crescimento das atividades financeiras em Londres.

Os locais e os estrangeiros começaram a fazer investimentos, o que permitiu ao Reino Unido atender às imensas necessidades de capital durante a revolução industrial e foi parte integrante da produtividade sustentada e das melhorias de bem-estar que se seguiram.

Mais tarde, outras cidades europeias também desenvolveram as suas próprias atividades financeiras, impulsionadas por uma incrível expansão do comércio multinacional.

O que realmente fez de Londres um íman para a atividade financeira global foi o “Big Bang” de 1986. Até então, a bolsa de valores da cidade estava limitada a parcerias relativamente pequenas de corretores de ações, formadores de mercado e semelhantes. Porém, em 27 de outubro de 1986, reformas abrangentes aboliram várias restrições às transações financeiras e à concorrência, abrindo o comércio a uma série de novos atores, incluindo estrangeiros.

A cidade de Londres tornou-se uma potência financeira global e cresceria cada vez mais nos 35 anos seguintes.

O efeito Brexit
O acordo comercial firmado entre o Reino Unido e a União Europeia (UE) na véspera de Natal não cobria serviços financeiros. Por enquanto, os financiadores de Londres foram impedidos de certas atividades, como a negociação de ações e títulos denominados em euros, que foram transferidos principalmente para Amesterdão como resultado.

Amesterdão está a emergir como vencedor porque a cidade abriga a sede operacional da bolsa de valores Euronext. As origens da Euronext remontam à fundação da Bolsa de Valores de Amesterdão pela Companhia Holandesa das Índias Orientais, que já há algum tempo é a maior bolsa de valores da Europa.

Para continuar como uma potência global, a cidade de Londres espera que os reguladores do Reino Unido e da UE cheguem a um acordo sobre a “equivalência”, que é um sistema que a UE usa para conceder acesso ao mercado doméstico a empresas estrangeiras em certas áreas de serviços financeiros. Porém, a perspetiva de um acordo parece pequena.

Embora os efeitos duradouros do Brexit em Londres provavelmente não sejam conhecidos durante anos, o primeiro dia de negócios após a saída do Reino Unido do mercado único foi um ponto de viragem simbólico.

Dados públicos de 1 de janeiro mostraram que Londres perdeu quase 45% do volume normal. Além de ações e títulos, outros mercados afetados incluem o comércio de carbono, com mil milhões de euros em volumes diários a ser transferidos para a capital holandesa.

Quatrocentos anos após o início da primeira era da preeminência financeira holandesa, Amesterdão volta a ser lar para o comércio de ações do continente.

ZAP // The Conversation

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *