CURIOSIDADES

Cadeira escondida na ‘Mona Lisa’ que transforma o significado da obra de Da Vinci

O quadro da autoria de Leonardo Da Vinci é a obra de arte mais famosa do mundo. Contudo, há um detalhe que tem passado despercebido: a cadeira onde a misteriosa mulher está sentada. Escondida, mas à vista de todos, esta pode ser o ponto que faltava para se perceber melhor o significado da obra.

Durante séculos, a atenção foi sempre direcionada para outros detalhes do quadro, como é o caso do sorriso, do posicionamento das mãos, dos olhos, ou até da paisagem.

No entanto, ao virar ligeiramente o olhar para a esquerda, é possível ver que Mona Lisa está sentada não num banco qualquer, mas no que é popularmente conhecido como cadeira pozzetto. A cadeira, que significa “pequeno poço”, introduz um simbolismo subtil na narrativa que é tão revelador quanto inesperado.

De repente, as águas que se vêm atrás da Mona Lisa não parecem mais distantes e desligados da retratada, pois parece existir um recurso essencial que sustenta a sua existência e faz com que as águas fluam para ela.

Ao colocar Mona Lisa dentro de um “pequeno poço”, Da Vinci transforma-a numa dimensão flutuante do universo físico que ocupa.

Martin Kemp, historiador da arte e especialista em obras de Leonardo Da Vinci, também detetou uma conexão fundamental entre a representação da Mona Lisa e a geologia do mundo em que esta habita.

“O artista não estava literalmente a retratar o Arno pré-histórico ou o futuro”, afirma Kemp num estudo sobre Da Vinci, “estava a moldar a paisagem da Mona Lisa com base no que tinha aprendido sobre a mudança no ‘corpo da Terra’ para acompanhar as transformações implícitas no corpo da mulher como mundo menor ou microcosmo”.

Mona Lisa não está sentada diante de uma paisagem, ela é a paisagem.

O significado do poço
Como acontece com todos os símbolos visuais usados ​​por Da Vinci, a cadeira pozzetto é multi valente e tem mais do que uma ligação entre a Mona Lisa e o conhecido fascínio do artista pelas forças hidrológicas que moldam a Terra.

A sugestão subtil de um “pequeno buraco” na pintura, como o canal através do qual a Mona Lisa emerge à consciência, reposiciona completamente a pintura no discurso cultural.

Este não é apenas mais um retrato secular, mas algo espiritualmente mais complexo. As representações de mulheres “junto ao poço” são um marco na história da arte ocidental.

Além disso, as representações apócrifas da Anunciação no Novo Testamento (o momento em que o arcanjo Gabriel informa à Virgem Maria que ela irá dar à luz Cristo) ao lado de uma fonte eram comuns entre os ilustradores de manuscritos medievais e podem até ter inspirado o retrato mais antigo de Maria.

Como um emblema infinitamente elástico, como sugere Walter Pater, Mona Lisa é certamente capaz de absorver e refletir todas essas ressonâncias e muito mais.

“Água Viva
No Evangelho de São João, Jesus faz uma distinção entre a água que pode ser tirada da nascente natural e a “água viva” que pode fornecer.

Enquanto a água de um poço só pode sustentar um corpo perecível, a “água viva” é capaz de saciar o espírito eterno.

As representações notáveis ​​da cena pelo pintor italiano medieval Duccio di Buoninsegna e pelo mestre renascentista alemão Lucas Cranach, o Velho, tendem a colocar Jesus diretamente na parede do poço, sugerindo o seu domínio sobre os elementos fugazes deste mundo.

No entanto, ao colocar o modelo metaforicamente no poço, Da Vinci confunde a tradição e sugere, em vez disso, uma fusão dos reinos material e espiritual, em um plano partilhado de criação eterna.

Na narrativa de Da Vinci, a própria Mona Lisa é uma onda milagrosa de “água viva”, serenamente contente por estar ciente do seu próprio infinito intenso.

Mona Lisa escondia desenhos secretos agora revelados. O retrato pode representar uma “deusa”

ZAP // BBC

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *