Minho

Conferências, performance, oficina e anti-leituras do Teatro Oficina nas comemorações do 25 de abril

Durante este fim de semana, o Teatro Oficina apresenta um ciclo que coloca o teatro em diálogo com as comemorações do 25 de abril. Intitulado “Teatro, Política e Resistência”, engloba conferências, performances, oficinas e anti-leituras, com entrada gratuita até ao limite da lotação disponível, no Espaço Oficina, à exceção de uma das anti-leituras que terá lugar na Casa da Memória, no âmbito da celebração do seu 6º aniversário.

A companhia de teatro vimaranense antecipa a data da revolução e inicia este ciclo já este sábado, dia 23, com uma conferência de Olivier Neveux, professor de história e estética do teatro na École Normale Supérieure, em Lyon, e autor do livro “Contra o Teatro Político”, que, com este título provocatório em mente, dará uma conferência sobre o Teatro de Brecht, seguindo-se uma conversa que poderá tomar o rumo que queiramos, assim as perguntas e as intervenções da plateia o despoletem.

No domingo, 24, Mariana Gomes propõe uma performance, que se tornará numa espécie de conferência, mas que acabará com uma oficina. Licenciada em teatro, no ramo de interpretação, e mestre em ciências da comunicação, Mariana Gomes juntou o teatro e a comunicação para pensar e criar a partir dos discursos políticos, o seu conteúdo, a sua forma e, claro, a sua performatividade.

Em centenário de José Saramago, o Teatro Oficina terá também anti-leituras em dose dupla, uma no dia 24 e outra no dia 25 de abril. As anti-leituras iniciaram em fevereiro deste ano e fazem parte do projeto artístico do Teatro Oficina para 2022. São serões em que se lê teatro em voz alta, bebe-se chá, vinho e come-se biscoitos, enquanto se conversa informalmente sobre teatro. As sessões acontecem às quartas-feiras, de quinze em quinze dias, no Espaço Oficina.

Desta vez, o Teatro Oficina alterou o dia propositadamente para 24 de abril, para ler a primeira peça de teatro escrita por Saramago. O dia escolhido para a leitura não é por acaso, uma vez que a ação da peça, “A Noite”, decorre numa redação de um jornal na madrugada de 24 para 25 de abril. O público terá duas oportunidades para se juntar a estas anti-leituras: na noite de 24 de abril, no Espaço Oficina, às 21h30, ou no dia 25 de abril, às 17h00, altura em que o Teatro Oficina se junta ao programa de celebração do 6º aniversário da Casa da Memória.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *