Minho

Zet Gallery e Câmara de Braga lançam festival ‘TrêsPê’ a 2 de junho

A Câmara Municipal de Braga e a zet gallery anunciaram hoje a criação de uma nova marca da vanguarda artística da cidade de Braga – o Festival TRÊSPÊ’ (Performance, Património e Paisagem) – que arranca a 2 de junho, com o objetivo de a afirmar como um território de incentivo à criação artística original no campo de trabalho expandido da performance, ocupando um espaço que esta metadisciplina necessita no contexto nacional.

Em parceria com a Câmara Municipal de Braga (promotora do evento), a zet gallery assegurará toda a criação e programação artística de 3 coletivos de artistas ao longo de 3 fins de semana entre os dias 2 e 19 de junho.

“Não é apenas um evento, mas o início da criação de uma nova marca para a cidade, para que esta seja, ainda mais, cosmopolita, afirmando-se como um território privilegiado para a criação artística contemporânea e de vanguarda em diferentes áreas, onde se inclui a performance! Queremos algo novo e que fique na cidade!”, assume Helena Mendes Pereira, diretora da zet gallery.

Ironizando a partir da tradição oral (pejorativa) construída sobre a cidade, o propósito deste festival TRÊSPÊ é o de estabelecer pontes entre os vários patrimónios bracarenses: o edificado e a paisagem (urbana ou natural), desafiando criadores a pensarem os lugares com o corpo em propostas que se pretendem inovadoras e a tocar o teatro, a dança, o novo circo, as artes plásticas, mas também a fertilidade de possibilidades das mediaartes.

Serão assim desafiados 3 coletivos de artistas – um residente em Braga, outro nacional e um terceiro internacional – que, ao longo de 3 fins de semana, apresentarão um projeto site specific numa unidade patrimonial (arqueológica, museológica, religiosa ou outra), que resulta de uma encomenda da cidade e que depois se colocará em circulação com o selo criativo da cidade.

Estes 3 coletivos – Banquete, Demo e Urge – farão os espetáculos/projetos distribuídos por espaços como a Biblioteca Municipal, as Sete Fontes e o Parque das Camélias, sempre sucedidos de conversas com o público. O Banquete fará atuação e conversa com os públicos às quintas-feiras, enquanto os coletivos Demo e Urge atuarão às sextas, sábados e domingos, com os espetáculos a serem sucedidos por conversas com os públicos.

“O que pretendemos com estas conversas, transmitidas em direto, é estabelecer proximidade entre os artistas e os públicos, promovendo práticas concretas de educação e mediação cultural”, informa a mesma responsável.

O Festival TRÊSPÊS pretende assim afirmar Braga no campo da performance, sendo simultaneamente, para os públicos nacionais e internacionais, consumidores desta expressão artística e, ao mesmo tempo, colocando o público em geral em contacto com o que de melhor se faz em termos de produção artística contemporânea.

“Braga tem também aqui uma oportunidade de afirmação de um produto turístico ambicioso e capaz de canalizar os públicos nacionais e internacionais”, reforça a diretora da galeria.

A Câmara Municipal de Braga defende que Performance, Património e Paisagem (os 3 p’s) são aqueles que, aliados à arte, à cultura, à criatividade, à sua história e à sua identidade, tornam o seu território único e autêntico.

“Braga é uma cidade com mais de 2 mil anos de história e, a nós, cabe-nos dar continuidade a esta linha do tempo, incentivando a criação artística original, em conjunto com os atores culturais de Braga, mas também com atores nacionais e internacionais, convidando-os a criar e a deixar marcas na comunidade, através da performance e outras atividades”, adianta Ricardo Rio, presidente da CM de Braga.

O edil sublinha que a cidade está em ebulição cultural e artística e garante que a CM de Braga está focada em concretizar até 2030 uma estratégia que identifica a área cultural como um dos pilares de desenvolvimento sustentável do concelho.

“É neste contexto que surge este novo festival TRÊSPÊ, uma proposta cultural multidisciplinar, que pretende afirmar Braga como um território de incentivo à criação artística original, mas também um evento âncora ambicioso e ousado, capaz de atrair públicos nacionais e internacionais”, conclui Ricardo Rio.

Recorde-se que este será um festival sem cadeiras, onde o público poderá levar a sua manta, o seu puf, e participar, relacionando-se com o património através do corpo.

A abertura está marcada para dia 2 de junho às 19h00 com o coletivo Banquete, na Biblioteca Municipal, enquanto o encerramento está agendado para 19 de junho às 19h00, com a conversa do coletivo Urge com o público, nas Sete Fontes, sucedido por uma espécie de lanche coletivo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *