Astrónomos identificam 24 exoplanetas “superhabitáveis” que podem ser melhores para a vida do que a Terra

Uma equipa de cientistas dos Estados Unidos e da Alemanha identificaram 24 exoplanetas que podem ter melhores condições para a vida do que a Terra.

Na escola, provavelmente aprendemos que as condições na Terra são perfeitas para sustentar a vida. No entanto, quando se trata de habitabilidade, a Terra situa-se em 25º lugar no ranking de planetas conhecidos.

À frente do Planeta Azul, estão duas dúzias de exoplanetas “superhabitáveis”, que se assemelham à Terra, mas com condições potencialmente mais delicadas – e os cientistas dizem que podem ser os principais candidatos na busca por vida alienígena.

“Os 24 principais aspirantes a planetas superhabitáveis estão a mais de 100 anos-luz de distância, mas o nosso estudo pode ajudar a enfocar os esforços de observação futuros”, disse Dirk Schulze-Makuch, geobiólogo da Universidade Estatal de Washington e da Uiversidade Técnica de Berlim, em comunicado.

“Temos de centrar-mo-nos em certos planetas que têm as condições mais prometedoras para uma vida complexa. No entanto, devemos ter cuidado para não ficar preso à procura de uma segunda Terra porque pode haver planetas que são mais adequados para a vida do que o nosso”, acrescentou Schulze-Makuch, que trabalhou com os astrónomos René Heller, do Instituto Max Planck de Pesquisa do Sistema Solar, e Edward Guinan, da Universidade Villanova, para identificar critérios de superhabitabilidade e analisar os 4.500 exoplanetas conhecidos além do nosso Sistema Solar.

Os cientistas concluíram que alguns desses mundos podem ser mais antigos, ligeiramente maiores, mais quentes e possivelmente mais húmidos do que o nosso próprio planeta.

Os investigadores apontam que, no nosso planeta, a preferência pelo calor e pela humidade, por exemplo, é observada nas florestas tropicais, cuja biodiversidade é maior do que nas áreas mais frias e secas.

Os astrónomos também defendem que o melhor momento para vida dá-se quando um planeta tem entre cinco mil e oito mil anos, enquanto que a Terra tem cerca de 4,5 milhões de anos. Além disso, um planeta 10% maior do que a Terra deveria ter mais terra habitável e uma gravidade mais forte para reter uma atmosfera durante um período de tempo mais longo.

Os investigadores observaram ainda sistemas com estrelas anãs K, que são mais frias, menos massivas e menos luminosas que o nosso Sol, além de terem uma vida útil prolongada de entre 20 mil milhões e 70 mil milhões de anos, em comparação com a vida útil do nosso Sol, que é de menos de 10 mil milhões anos.

Entre os 24 planetas identificados, nenhum cumpre todos os potenciais critérios, mas um deles tem quatro dessas características cruciais, tornando-o muito mais confortável para a vida do que a Terra.

“Às vezes é difícil transmitir este princípio de planetas superhabitáveis ​​porque acreditamos que temos o melhor planeta. Temos muitas formas de vida complexas e diversas e muitas que podem sobreviver em ambientes extremos. É bom ter uma vida adaptável, mas isso não é significa que temos o melhor”, rematou Schulze-Makuch.

Este estudo foi publicado em setembro na revista científica Astrobiology.

ZAP //

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *