Projeto “Vale da Biodiversidade” junta investigadores e cidadãos para conhecer a biodiversidade do Parque Natural Regional do Vale do Tua

O CIBIO-InBIO (Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos, InBIO Laboratório Associado da Universidade do Porto), em parceria com o Parque Natural Regional do Vale do Tua (PNRVT), está a desenvolver um projeto que visa conhecer o património natural desta área classificada e promover ativamente a sua conservação.

O projeto, liderado pela investigadora Sónia Ferreira, do CIBIO-InBIO, envolve uma equipa de especialistas multidisciplinar e envolverá a realização de trabalhos de campo para aumentar o conhecimento da biodiversidade da região e a elaboração de materiais de apoio e ações de formação de forma a consciencializar a população residente e visitantes sobre a importância de conservar o rico património desta área, recentemente classificada.

Através de sessões de informação e da formação de agentes chave, nomeadamente professores, e produtores agrícolas e florestais, pescadores e caçadores da região, o CIBIO-InBIO quer dar a conhecer os valores naturais da região focando nos vários grupos de fauna e flora, dando a conhecer o papel fundamental que desempenham nos ecossistemas e da importância que têm para a população humana.

“Este projeto constitui uma oportunidade única para efetuar um ponto da situação sobre o conhecimento da ocorrência de espécies protegidas no Parque Natural Regional do Vale do Tua, ao mesmo tempo que implementa mecanismos de recolha de informação por parte da população para os anos vindouros” refere Sónia Ferreira.

A iniciativa de Ciência Cidadã “A Biodiversidade do Vale do Tua” fomenta ativamente o envolvimento dos cidadãos da região na recolha de informação de distribuição das espécies assim como dos fatores de ameaça, promovendo a apropriação e vigilância dos valores naturais, assim como do seu usufruto e da promoção do turismo sustentável da região.

Nesse sentido, foi lançado o convite à população para se associar ao projeto criado na plataforma BioDiversiy4All.

“Por um lado, permite recolher informação sobre os animais e plantas em tempo real, e tornar essa mesma informação publicamente disponível, o que constitui uma mais valia para a ciência e para a gestão de recursos naturais” indica Sónia Ferreira, que acrescenta: “Por outro permite a qualquer pessoa finalmente saber que bichinho é aquele que apareceu lá em casa, que planta foi aquela que vimos no passeio do fim de semana ou que ave é aquela que apareceu no jardim”.

O projeto pretende também promover a biodiversidade em contexto urbano e contempla a construção e colocação de abrigos e caixas-ninho para espécies de aves, morcegos e insetos e realização de exposições fotográficas.

Às escolas será lançado o desafio para o seu envolvimento ativo na promoção da ocorrência de espécies de fauna nos seus espaços e jardins públicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *