Até outubro, houve menos acidentes, mortos e feridos nas estradas

A sinistralidade rodoviária registou uma diminuição nos primeiros dez meses deste ano, com menos acidentes e menos vitimas mortais na estrada, em comparação com o período homologo, mas também menos feridos graves e ligeiros.

A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária revela, em comunicado enviado esta segunda-feira às redações, dados relativos à Sinistralidade e Fiscalização Rodoviária de outubro de 2020.

Segundo o relatório desta entidade, registaram-se, nos dez primeiros meses do ano, 21337 acidentes rodoviários, dos quais resultaram 336 óbitos, 1518 feridos graves e 25031 feridos leves. As vítimas mortais contabilizam as que ocorreram no local do acidente e/ou durante o transporte para uma unidade de saúde.

Em comparação com os dados de 2019, pode concluir-se que houve uma melhoria em termos de sinistralidade, dado que se registam menos 8.098 acidentes com vítimas (-27,3%), menos 61 vítimas mortais (-15,4%), menos 436 feridos graves (-22,3%) e menos 10.904 feridos leves (-30,3%).

Segundo esta entidade, há ainda a destacar que a colisão é a principal natureza de acidente, embora o maior número de vítimas mortais seja registada em despistes automóveis.

O maior número de acidentes e de vítimas mortais acontece em arruamentos, sendo que é nas estradas pertencentes às Infraestruturas de Portugal que se regista um maior numero de vítimas mortais (41,1%). Segue-se a Brisa (4,5%), Ascendi (3,6%), e da Câmara Municipal de Lisboa (3,0%).

Do total das vítimas mortais, 67,6% do total eram condutores, 15,2% passageiros e 17,3% peões. No caso dos feridos graves, a proporção de condutores foi ligeiramente superior (68,3%), enquanto a de passageiros aumentou para 17,4% e de peões diminuiu para 14,3%.

No que diz respeito à fiscalização, registou-se um aumento de 27,2% deste tipo de ações, em comparação com o ano passado. No totel, foram fiscalizados mais de 95 milhões e 600 mil veículos. Este aumento está relacionado com o acréscimo de 32,0% dos sistemas de radares da ANSR (rede SINCRO) e de 37,4% dos radares da PML.

Como resultado destas fiscalizações, verificaram-se mais de um milhão de infrações, o que representa uma diminuição de 2,7% face ao ano anterior. Grande parte das infrações esta relacionada com excesso de velocidade, tendo se registado um diminuição na taxa de infratores.

Saliente-se ainda que Portugal atravessa neste momento o quinto Estado de Emergência, que impõe várias restrições, entre as quais a proibição de circular entre concelhos que já vigorou anteriormente e que pode ter reflexos nestes dados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *