“É urgente reforçar apoio técnico a jovens agricultores e novas explorações” apelo lançado em conferência promovida pelo PSD de Vila Verde

É uma emergência nacional criar estruturas que assegurem um acompanhamento técnico mais extenso aos jovens agricultores e aos novos projetos de exploração agrícola, sob pena de se continuar a desperdiçar muitos milhões e fundos comunitários. O alerta foi lançado no seguimento da conferência online sobre “Agricultura e o Mundo Rural”, que o PSD/Vila Verde promoveu na noite de sexta-feira.

Na condução da iniciativa, a autarca vilaverdense Júlia Fernandes apontou a Rota e a Festa das Colheitas como exemplos mais reconhecidos da atenção com que Vila Verde encara a atividade agrícola como setor estratégico para o desenvolvimento rural, mas deixou o desafio para novas soluções que travem o contínuo abandono do setor por parte de jovens e população ativa.

O ex-ministro da agricultura Arlindo Cunha e os presidente da Atahca, Mota Alves, e da cooperativa agrícola CAVIVER, José Manuel Pereira, foram unânimes quanto à urgência em assegurar apoio e acompanhamento, ao nível técnico e financeiro, que permitam aos jovens agricultores e novos investidores capacidade para superarem dificuldades e obstáculos por força das volatilidades que caraterizam tanto o processo produtivo como os mercados.

“Os jovens são completamente desamparados. Aprova-se projetos e depois ninguém quer saber. São aprovados projetos para a produção de leite, quando nem há quota”, denunciou José Manuel Pereira.

Na realidade, no que toca ao envelhecimento da população agrícola, Portugal é um dos piores da Europa. Júlia Fernandes frisou ainda os dados estatísticos que revelam que a população agrícola é cada vez menor e mais idosa: do final dos anos 80 para cá, o total de trabalhadores na agricultura em Portugal reduziu cerca de 1,5 milhões para cerca de 600 mil. Os jovens com menos de 24 anos representavam, em 1989, quase 20% dos trabalhadores agrícolas, mas em 2016 já eram menos de 5%. Dois terços têm 55 anos ou mais.

“Isto não pode continuar assim. Estamos há anos a dar prioridade aos jovens e aos novos investidores. Os ministros gostam muito de anunciar que instalaram uma imensidão de novas explorações e hectares, mas depois abandona-se e esquece-se a taxa elevadíssima de mortalidade dos projetos. Não se pode depois aceitar isto”, protestou Arlindo Cunha.

O professor universitário sublinhou que os fundos europeus da Política Agrícola Comum (PAC) financiam apoio técnico desde 2014, pelo que depende só de Portugal “fazer as coisas certas”.

Para o ex-ministro e atual coordenador da agricultura no Conselho Estratégico Nacional do PSD, outro problema está na destruição progressiva dos serviços do Ministério da Agricultura, perdendo a sua rede de abrangência de todo o território.

“O Estado tem engordado muito, mas emagreceu no lado errado. Com este Estado cada vez mais centralista, os cortes prejudicaram o lado mais fraco: o interior, o mundo rural, os territórios de baixa densidade”, lamentou.

No âmbito da nova PAC e do quadro financeiro que sustenta o Portugal 2030, Arlindo Cunha mostrou-se esperançado num maior “equilíbrio nos pagamentos diretos aos agricultores, atenuando as diferenças entre grandes e pequenas explorações”, mas criticou que esse reforço venha a ser feito à custa das verbas para o desenvolvimento rural.

Essa opção implicará a redução dos apoios para investimentos, com custos agravados para regiões com uma agricultura ainda muito atrasada – como é o caso de Portugal no contexto da UE, e sobretudo nas zonas de minifúndio como o Vila Verde e o Minho.

A sessão online marcou o arranque do ciclo de conferências “Vila Verde 2030” promovidas pelo PSD de Vila Verde, que tem agendada nova iniciativa para o próximo dia 18 de março, às 21h30, desta vez sobre a “Saúde”, com participação dos médicos Ricardo Mexia, Ricardo Baptista Leite e Luís Sousa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *