Cientistas querem construir uma “Arca de Noé” na Lua

Na anual Conferência Aeroespacial do Instituto de Engenheiros Elétricos e Eletrónicos, uma equipa de investigadores da Universidade do Arizona, nos Estados Unidos, sugeriu construir um banco de esperma sob a superfície lunar.

Os cientistas propõe que o projeto funcione como o “cofre do Apocalipse”, o maior repositório mundial de sementes, tendo por missão proteger as diferentes espécies do planeta contra guerras ou catástrofes naturais que possam vir a destruir por completo colheitas alimentares.

Esta “apólice de seguro” para o futuro da humanidade e de todas as espécies da Terra seria um repositório de células reprodutivas, incluindo espermatozoides e óvulos, escreve a VICE.

Este não é propriamente um conceito novo. Em 2019, cientistas propuseram que as tripulações de mulheres astronautas em missões de longo prazo, onde precisassem de povoar novos planetas, pudessem ser enviadas com bancos de esperma.

Agora, a ideia é depositar os espermatozoides e óvulos em poços lunares, que estão entre 80 a 100 metros de profundidade. Assim, conseguem protegê-los de alterações drásticas de temperatura, asteroides e radiação.

A equipa de investigadores teorizou alguns dos cenários de extinção em massa que justificam avançar com esta ideia, nomeadamente: erupção de um super-vulcão, guerra nuclear global, impacto de um asteroide, epidemia global, alterações climáticas, tempestade solar global e seca.

“Ainda podemos salvá-los [espermatozoides e óvulos] até que a tecnologia avance para depois reintroduzir essas espécies – por outras palavras, salvá-los para outro dia”, disse o autor principal do estudo, Jekan Thanga.

Para levar as cápsulas até ao fundo dos poços lunares, os investigadores sugeriram desenvolver robôs que se movem usando levitação quântica.

A apresentação dos investigadores não mencionou, no entanto, como é que os espermatozoides e óvulos necessários para a arca serão recolhidos.

Daniel Costa, ZAP //

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *