86% passam férias de verão em Portugal e gastam, em média, 750 euros

Por esta altura, a cerca de um mês do início do verão, são vários os portugueses que já pensam em como aproveitar da melhor forma as suas férias de verão, considerando as limitações – sanitárias, sociais, mas também económicas – impostas pela conjuntura atual.

O Observador Cetelem inquiriu os portugueses no sentido de compreender como serão as suas férias de verão, neste que tem sido um ano atípico. Neste cenário, de entre os que já manifestam ter planos, 86% afirmam que vão passar as férias de verão em território nacional. Ainda assim, verifica-se um aumento face a 2020 do número de pessoas que tenciona ir de férias para o estrangeiro (6% vs. 1%).

Questionados sobre quanto esperam gastar durante as férias de verão, a média das respostas aponta para os 750€, uma descida em cerca de 160€ face a 2020.

Os homens pretendem gastar mais que as mulheres (829€ vs. 687€) e é a faixa etária dos 45-54 que também está disposta a gastar mais (845€); por outro lado, dos 65 aos 74 encontram-se os que pretendem gastar menos (519€). Para pagarem as despesas associadas às férias de verão, 31% dizem que irão utilizar cartão de crédito, um aumento de 5 pontos percentuais face ao ano passado.

Mais de metade (53%) está a planear fazer férias fora da sua residência principal. No processo de marcação destas férias, os portugueses têm tido um comportamento diferente face ao ano passado: têm recorrido mais às agências de viagens/arrendamento de casas (31% vs. 11% em 2020) e aos hotéis (12% vs. 2% em 2020).

Neste sentido, este ano, os hotéis voltaram a recuperar a preferência dos portugueses: 1 em cada 4 dos que dizem ter férias já marcadas para o verão vão para hotéis, quando em 2020 eram apenas 5%.

No entanto, a maioria continua a preferir ficar hospedada numa casa, seja ela de familiares/amigos (30%), uma residência secundária (23%) ou uma casa alugada (18%). Destaque ainda para o turismo rural (6% vs. 7% em 2020), que mantém a intenção positiva que ganhou com a pandemia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.