Banco do Ramalho no Gerês inaugurado há 101 anos

O Banco do Ramalho foi inaugurado a 28 de julho de 1920 pela Sociedade Propaganda de Portugal, à época, entidade responsável pelo turismo, como forma de homenagear o escritor Ramalho Ortigão, que tantas vezes aqui buscou inspiração para as suas obras.

Decorridos 100 anos e no seguimento da evolução temporal, os bancos esculpidos em granito demonstravam já a decrepitude, também resultado das intempéries. Assim sendo, e de forma a preservar com dignidade a história, o Município de Terras de Bouro procedeu à reabilitação do Banco do Ramalho, bem como à requalificação da área envolvente do Parque da Assureira, na vila do Gerês, e à recuperação da imagem e do interior da casa lá edificada, de forma a ser utilizada para usos múltiplos relacionados com a divulgação cultural, resultando daí uma simbiose perfeita.

Dia 28 de julho de 2021, o município registou a comemoração dos 101 anos da homenagem a tão ilustre escritor, aquele que tanto deu vida a Terras de Bouro.

Gerês, local característico pela sua pureza e vitalidade, pela riqueza peculiar da sua fauna e flora, pelos seus recursos mineromedicinais, pela beleza única da sua serra, foi calcorreado por inúmeras personalidades ilustres da nossa sociedade e até estrangeiras, já se falando das suas antiguidades romanas no século XVIII. Tornou-se então palco de investigações no âmbito de diversos aspetos do meio natural, bem como motivo de inspiração.

Ramalho Ortigão costumava ir sentar-se a pouco mais de um km a sul das Caldas do Gerês, na Assureira, numas toscas pedras que os frequentadores começaram a designar como “bancos do ramalho”. Era nesta “solidão sonhadora”, um pequeno recinto arborizado e ajardinado pelos antigos Serviços Florestais, que lia, escrevia ou simplesmente descansava, embevecido na vista que os seus olhos alcançavam, o seu retiro ideal.

Neste local, sagrado pela presença do vernáculo escritor romântico, de grande significado seria a homenagem prestada pela Sociedade de Propaganda de Portugal, ao edificar um banco de pedra, em forma quadrangular, com uma placa de bronze onde tinha inscrito:

“Em umas toscas pedras, que os frequentadores do Gerez chamavam «os bancos do Ramalho», costumava vir aqui sentar-se, lendo e escrevendo, o notável escriptor José Duarte Ramalho Ortigão, que tanto honrou a sua terras e tanto quiz a esta região. A Sociedade Propaganda de Portugal no mesmo lugar mandou levantar-lhe esta singela homenagem delineada pelo arquitecto Raul Lino, de Lisboa, no ano de 1920”.

A inauguração, a 28 de julho de 1920, ficou marcada por uma festa simples, mas imponente, onde foram proferidos vastos elogios ao homenageado, tão dignamente representado pelos seus filhos e sobrinhos. Falecido em 1915, Ramalho Ortigão tinha um talento inovador e exerceu uma influência sensível na evolução literária universal. Na referida cerimónia foram, também, tecidos louvores à obra arquitetónica de Raul Lino, encarando-a como uma estilização de um banco rude e ao Parque da Assureira, delineado por Guilherme Felgueiras, administrador da mata do Gerês. Elevados os relevantes serviços prestados ao país, o BANCO DO RAMALHO ficou à guarda da direção florestal.

A sua época dourada foi marcada nos anos que se seguiram à inauguração, quando homens distintos acompanhados de ilustres damas percorriam os quase 2km para digerir a água mineromedicinal e posar para a posteridade no novo Banco do Ramalho, num local catalisador de paz de espírito, fruto do desenvolvimento das Caldas do Gerês na época.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *