A Arte que veio da serra para as bouças de Amares

O percurso convida ao silêncio, à reflexão, à comunhão com a Natureza aqui com o nome de vinhas. O artista Mário Rocha aceitou o desafio do empresário António Ressurreição e trouxe para os campos e Solar das Bouças, a arte contemporânea de doze artistas portugueses ou a viver em Portugal.

‘Da Leira para a Bouça” pode ser vista até 11 de outubro na quinta em Prozelo, Amares e se for caso disso ainda pode participar nas vindimas. São vários os estilos espalhados por sítios inesperados ou expostos em várias divisões do próprio solar. Há espaços reservados a Fernando Pessoa e a José Cutileiro com peças exclusivas e inéditas, pertença do Solar e mostradas pela primeira vez.

A iniciativa, a repetir em anos futuros, tem, ainda, como atrativo a transformação do mítico pinheiro de 20 metros, derrubado pela tempestade Elsa, em peças de arte da autoria de Paulo Neves. O próximo desafio para Mário Rocha e Paulo Neves é transformar o que restou da árvore, e que tem diferentes perspetivas dependendo do lugar de onde se olha, numa peça artística.

Mário Rocha é o responsável há 22 anos pela iniciativa Arte na Leira, na Serra D’Arga. “A ideia era trazer a arte dos grandes salões para o meio da serra, mostrar às pessoas da aldeia o que se faz na cidade e o que é arte”. Premissas que foram, agora, adaptadas, para a iniciativa em Amares.

Já António Ressurreição prometeu que a ‘Da Leira para a Bouça’ se irá repetir nos próximos anos. “É um ponto de chegada, mas também é um ponto de partida”. O confinamento não é sinal que “estejamos parados, paralisados” e esta “é uma forma de ajudar aqueles que se batem pela arte”.

A Câmara de Amares abraçou com “quatro braços” a iniciativa desde o início. O presidente da autarquia, Manuel Moreira, lembrou que o Solar das Bouças “é uma das quintas mais antigas do concelho, com uma história na produção de loureiro” e que agora, “associa uma iniciativa que vai sobressair porque é um evento que dá gosto”.

Concerto solidário

Do vasto programa até outubro, um dos destaques é o concerto solidário do cantor Toy já no próximo dia 10. A receita reverte para a Associação de Paralisia Cerebral de Braga, recém-instalada em Amares e terá Mário Rocha a trabalhar ao vivo.

Ainda em setembro, há um concerto de música clássica (dia 17) com Helena Ressurreição e outra de Jazz/Blues (dia 19) com ‘Del Toro’. Outubro tem um workshop de cerâmica e um sunset de encerramento com Mário Rocha e Paulo Neves.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *