Glaciar na Islândia “escondia” bombardeiro norte-americano da 2ª Guerra Mundial

Os destroços de um bombardeiro norte-americano B-17 Flying Fortress que colidiu com o glaciar Eyjafjallajökull durante a II Guerra Mundial estão gradualmente a aparecer à medida que a geleira recua devido às alterações climáticas.

De acordo com o jornal local Morgunblaðið, os restos de um bombardeiro dos Estados Unidos que se despenhou contra um glaciar na Islândia durante a II Guerra Mundial têm começado a aparecer à medida que a capa de gelo da montanha derrete.

O acidente ocorreu em 16 de setembro de 1944, quando um B-17 Flying Fortress da Força Aérea dos Estados Unidos que se dirigia à Inglaterra para participar numa operação contra a Alemanha.

Em 1996, o sigilo em torno do acidente foi finalmente levantado, quando a Força Aérea dos Estados Unidos revelou os detalhes. As condições meteorológicas eram más na Islândia e o avião foi retirado da rota. O avião foi reabastecido num aeroporto islandês, mas foi apanhado numa corrente baixa e acabou por cair no glaciar Eyjafjallajökull, no sul do país.

O bombardeiro sofreu uma colisão relativamente suave, uma vez que a aeronave pousou na neve e continuou deslizando até parar abruptamente num banco de neve. Uma das suas asas foi arrancada e os motores pegaram fogo.

Ainda assim, todos os seus ocupantes conseguiram sobreviver. Alguns membros da tripulação foram atirados para fora e um deles ficou enterrado na neve, mas foi resgatado pelos seus companheiros. Os que ficaram a bordo conseguiram sair em segurança.

Os homens procuraram abrigo num penhasco próximo, mas conseguiram regressar aos destroços quando o fogo se apagou. Os tripulantes não sabiam onde estavam e não podiam enviar uma mensagem de emergência à Força Aérea dos Estados Unidos.

Dois dias depois do acidente, ao avistar uma luz no vale, decidiram deixar o glaciar e seguir em direção a áreas habitadas. Desceram da geleira e alguns deles conseguiram atravessar Markarfljót – um rio glacial – continuando em direção à luz. Descobriu-se que a luz vinha da quinta Fljótsdalur, na área de Fljótshlíð, no sul da Islândia. De seguida, o resto dos tripulantes foram resgatados.

Na altura, uma expedição da Força Aérea dos Estados Unidos recuperou apenas alguns fragmentos da aeronave, uma vez que a maior parte já estava sob a neve e o gelo.

Ao longo das décadas, o glaciar quebrou os destroços em vários pedaços, alguns dos quais permanecem facilmente reconhecíveis. O reaparecimento dos destroços é uma grande atração turística para os locais, que se recusam a remover os restos do bombardeiro.

ZAP //

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *