Inscrição perdida contém a chave para o enigma dos esqueletos de Almaçã

Uma inscrição de pedra desaparecida esconde a chave para o mistério dos esqueletos de Almaçã, enterrados debaixo de uma muralha medieval.

Em Almaçã, Espanha, onze corpos foram enterrados debaixo de uma enorme muralha de uma vila medieval. A chave para descobrir o quem e o quando deste mistério está, segundo arqueólogos espanhóis, numa inscrição de pedra perdida.

A vila de Almaçã acredita-se ter sido fundada em 1128, quando uma grande muralha e um fosso foram construídos para proteger este poderoso centro político onde os reis de Castela e Navarra se reuniam nas margens do Rio Douro para delinear estratégias na luta contra os Muçulmanos durante a Guerra da Reconquista.

Segundo o diário espanhol El País, vários monarcas e figuras importantes visitavam Almaçã, como por exemplo Dona Urraca de Portugal, Rainha de Leão e filha de D. Afonso Henriques.

Na tal inscrição de pedra medieval perdida lia-se “Rei Afonso” e é esta que contém a chave para identificar 22 esqueletos, 11 dos quais foram enterrados debaixo da muralha, escreve o Ancient-Origins. Um estudo foi publicado recentemente na revista científica MANTVA.

O coautor Manuel Retuerce Velasco diz que a aparente “localização estranha dos túmulos” pode estar relacionada com a igreja de Santa María de Calatañazor, datada do século XII e localizada perto da muralha de Almaçã. O especialista argumenta que parte da muralha pode ter sido construída sobre o cemitério da igreja.

Registos arqueológicos do século XIX relatam uma inscrição esculpida num arco da muralha referindo-se ao “Rei Afonso”, e uma carta datada de 2 de março de 1896 confirma que essa pedra foi transferida para a Academia Real de História naquele ano. No entanto, o seu rasto é perdido depois de lá chegar.

Em declarações ao El País, a Academia Real de História garante que a pedra “definitivamente não está no armazenamento da Academia ou no Museu Nacional de Arqueologia”, acrescentando que “é inacreditável que tenha desaparecido de uma instituição esta”.

De momento, o principal mistério é qual o rei a que pedra se referia? Afonso VI de Castela e Leão, Afonso VIII de Castela ou Afonso X de Castela e Leão? Sem a pedra, esta pergunta vai permanecer sem resposta.

ZAP //

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *