Treinador do Vitória quer vencer Tondela e apurar-se para a Taça da Liga

O treinador João Henriques frisou hoje que o Vitória SC quer vencer no reduto do Tondela, na sexta-feira, em partida da oitava jornada da I Liga portuguesa de futebol, e apurar-se para a Taça da Liga.

Oitava classificada, com 10 pontos, a equipa de Guimarães quer somar mais três no Estádio João Cardoso para manter acesa a esperança de participar na fase final da Taça da Liga, destinada aos seis primeiros classificados do escalão principal e aos dois primeiros da II Liga, no final de novembro.

“É um jogo importante por esse fator decisivo da classificação necessária para se entrar na Taça da Liga. Esse é o fator mais importante. É imperativo ganhar”, afirmou o técnico, em conferência de antevisão ao desafio, agendado para as 21:00.

Para João Henriques, há ainda outros dois fatores que acentuam a importância de um triunfo na sexta-feira: responder à goleada infligida pelo Sporting (4-0), na ronda anterior do campeonato, e voltar a marcar golos, depois de ultrapassada a terceira eliminatória da Taça de Portugal, frente ao Arouca, mas no desempate por penáltis (7-6), após um ‘nulo’ nos 120 minutos.

O ‘timoneiro’ admitiu que o Vitória deveria ter criado “mais oportunidades” frente à formação da II Liga, depois de ter vencido por 3-1 um jogo particular com o Vizela, desse mesmo escalão, no qual os seus pupilos exibiram um “nível muito superior”, embora sem a “pressão dos pontos ou de uma eliminatória”.

Quanto ao Tondela, 12.º classificado, com oito pontos, João Henriques realçou que a formação treinada por Pako Ayestarán venceu os dois últimos embates em casa – Portimonense (1-0) e Santa Clara (2-0) -, contrariando a tendência de somar mais pontos nos jogos fora, verificada na época passada – somou 22 dos 36 pontos nessa condição.

“O Tondela inverteu essa situação e fez um somatório de pontos que lhe permite estar numa situação estável na tabela. É uma equipa difícil, que vai lutar pelos três pontos”, perspetivou.

O treinador, de 47 anos, assumiu que os vimaranenses ainda oscilam entre “momentos aceitáveis ou até bons” e outros em que a “estabilidade parece deixar de existir”, referindo que a juventude e o desconhecimento do campeonato e da própria língua portuguesa de vários jogadores do plantel possa alongar o processo necessário para o Vitória ter mais “consistência”.

“Se olharmos para os jogos que fizemos, tivemos dificuldade em manter o ‘onze’, seja pela covid-19, as idas às seleções ou as lesões. Ainda não temos conseguido uma base. Não podemos ficar contentes com 30 ou 45 minutos bons de cada vez. Temos ainda jogadores jovens, que chegaram sem conhecerem o campeonato e a língua. Tudo isto [o processo de adaptação] leva muito mais tempo do que numa equipa estável”, disse.

O Vitória SC, oitavo classificado da I Liga, com 10 pontos, defronta o Tondela, 12.º, com oito, em partida da oitava jornada, agendada para as 21h00 de sexta-feira, no Estádio João Cardoso, em Tondela.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *