Quem roubou a lua?

A pandemia veio trazer-nos novos desafios, e um deles é o da leitura, quando estamos confinados e não podemos ir às livrarias ou às bibliotecas. Supor-se-ia que o mercado dos e-books tenderia a crescer neste período, mas tal não aconteceu de forma significativa. Apesar das reconhecidas vantagens da leitura digital – da portabilidade à economia de espaço físico, passando pela hipertextualidade -, o livro electrónico não consegue ainda superar o impresso nas preferências dos leitores, continuando este a liderar as vendas, sobretudo no campo literário. Em Portugal, nem sequer se pode falar verdadeiramente de um mercado do livro electrónico e raras são, pelo menos por enquanto, as bibliotecas onde se podem encontrar colecções neste suporte. Há, claro, universos distintos: o académico, em que o digital tende a predominar, nomeadamente no campo das revistas científicas, o dos livros técnicos, onde desponta, e o da leitura cultural, de reflexão ou entretenimento, como a Literatura ou as Humanidades, e que continua dominado pela publicação impressa, mais adequada a uma leitura em profundidade, íntima e de prazer pessoal.

A literatura para a infância segue esta tendência, e proliferam as edições impressas, ricamente ilustradas, com formatos variados, desafios e incentivos à leitura partilhada, segundo o ar dos tempos.

Diversos estudos comparativos sobre as práticas e os efeitos da leitura nas crianças indicam que há mais partilha e conversa entre pais e filhos quando se lê em ambiente digital, mas que não se trata de uma leitura sequencial e em profundidade, lendo-se aos saltos, de forma desconcentrada e sem impacto efectivo no conhecimento.

Mas os dois universos coexistem, e há livros electrónicos bem interessantes. Quem roubou a lua?, escrito por Helen Stratton-Would, produzido por uma vasta equipa e editado pela Windy Press (2012) é um excelente livro digital para crianças: uma boa e mágica história que pode ser lida sequencialmente, ou criando efeitos nas imagens, associada a jogos educativos, música e desenhos para colorir. O livro surge como uma aplicação disponível para IOS e Android, é muito barato e também tem uma versão gratuita. Porque não experimentar?

 

Manuela Barreto Nunes [Bibliotecária]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *