Portugal regista pior dia da pandemia com 156 mortos e 10556 novos casos

Segundo os dados divulgados esta quarta-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS), Portugal contabilizou, nas últimas 24 horas, mais 156 óbitos e 10556 infetados por Covid-19.

Hoje é o dia com o número de mortos e casos diários mais elevado, desde o início da pandemia, no país. Até esta quarta-feira, o dia com mais vítimas mortais tinha sido ontem, com 155 óbitos, e o de novos contágios, no dia 8 de janeiro, no qual foram registados 10176 infetados.

Em comparação com o dia de ontem, o número de mortos reportados em 24 horas aumentou 1,93% e do de casos 2,13%. Importa ainda sublinhar que este é o terceiro dia consecutivo que Portugal atinge novos máximos, no que diz respeito ao número de óbitos.

Segundo a DGS, neste momento, há 116328 casos ativos em todo o território nacional, mais 5940 do que na véspera, e 130887 pessoas encontram-se a ser vigiadas pelas autoridades de saúde, mais 5591 do que na terça-feira. No total, 382544 pessoas diagnosticadas com Covid-19 já foram dadas como recuperadas, desde o aparecimento do vírus no país, mais 4460 do que ontem.

Ainda de acordo com os dados de hoje, 4240 doentes com Covid-19 estão internados em hospitais, mais 197 do que na véspera, sendo que 596 encontram-se em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI), menos três do que na terça-feira.

Por regiões, o Norte do país conta, desde o início da pandemia, com 242209 casos (+3628) e 3569 mortos (+36). Já Lisboa e Vale do Tejo regista 167547 infetados (+3793) e 2910 óbitos (+67), tornando-se na zona do país com mais casos e vítimas mortais reportadas nas últimas 24 horas.

O Centro soma 65184 contágios (+2136) e 1269 mortos (+36) e o Alentejo contabiliza 16205 infetados (+475) e 347 óbitos (+11). Ainda no Continente, o Algarve já identificou 10982 casos (+411) e 99 vítimas mortais (+6).

Nas regiões autónomas, os Açores reportam 2725 infetados (+69) e 22 mortos e a Madeira conta com 2256 contágios (+44) e 20 óbitos. Em nenhum dos arquipélagos foi identificada qualquer morte, entre ontem e hoje, devido à Covid-19.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *