Lenda de Godofredo sobre Stonehenge pode ter uma réstia de verdade

De acordo com Godofredo de Monmouth, cuja obra “História dos Reis da Grã-Bretanha” foi escrita em 1136, o antigo círculo de pedra agora conhecido como Stonehenge foi originalmente trazido de África para o monte Killarus, na Irlanda, por um grupo de gigantes. Era então conhecida como ‘Dança dos Gigantes’ e tinha propriedades curativas.

As pedras chegaram a Wiltshire com a ajuda do mago Merlin, a mando do tio do Rei Artur, Aurelius Ambrosius, para serem reconstruidas como um memorial a um grupo de bretões massacrados durante o reinado do usurpador Vortigern. Algumas décadas depois, a estrutura rebatizada de Stonehenge tornou-se o local de descanso final de Uther Pendragon, Rei dos bretões e pai do Rei Artur.

Séculos antes do desenvolvimento da geologia rudimentar, a teoria exótica de Godofredo – de que as pedras em Stonehenge foram roubadas de um campo estrangeiro – envolveu o sítio arqueológico em mais uma camada de intriga mística. Agora, parece que o autor medieval pode ter descoberto algo.

Embora as pedras tenham sido movidas por mão de obra, não por magia, e retiradas do País de Gales, e não roubadas da Irlanda, um novo estudo revelou que Stonehenge pode realmente ter estado pela primeira vez numa encosta perto de Pembrokeshire, num local chamado Waun Mawn, antes de 3000 a.C.

As descobertas dos autores, publicadas recentemente na revista Antiquity, têm implicações dramáticas para a nossa compreensão do sítio da Idade da Pedra mais conhecido do Reino Unido.

Stonehenge foi construído em cinco fases ao longo de 1.500 anos, começando por volta de 3000 a.C. Entre as suas pedras estão as pedras azuis, que há muito tempo sabemos que são originais das Colinas Preseli, no oeste do País de Gales, a mais de 225 km de distância. Stonehenge é o único círculo de pedras na Europa cujas pedras foram extraídas a mais de 20 km de distância, o que o torna muito incomum.

As escavações desta equipa de investigadores em Stonehenge em 2008 ofereceram evidências de que as pedras azuis galesas formaram o primeiro círculo do local, situado num amplo anel conhecido como “Aubrey Holes” Então, recentemente, geólogos associaram dois dos tipos de dolerito e riólito presentes em Stonehenge a afloramentos rochosos específicos nas colinas Preseli, chamados Carn Goedog e Craig Rhos-y-felin.

Isso levou a equipa de investigadores a Preseli para escavar os afloramentos, onde recuperaram evidências de ferramentas de extração que confirmaram que os sítios eram de facto pedreiras da Idade da Pedra. Mais importante ainda, a madeira carbonizada e avelãs identificadas forneceram provas de que as pessoas extraíram em ambos os locais por volta de 3400 a.C.

Caminho rochoso
A data precoce da extração era intrigante. Certamente não poderia ter demorado 400 anos para transportar pedras recém-extraídas para Stonehenge. As pedras de Carn Goedog e Craig Rhos-y-felin devem ter estado noutro lugar nos séculos antes de serem transportadas para Wiltshire.

Isto iria de encontro com a teoria do geólogo galês Herbert Thomas, que em 1923 descobriu que as pedras azuis de Stonehenge tinham sido movidas para a Planície de Salisbury por pessoas – não transportadas, como alguns haviam especulado, por glaciares da Idade do Gelo.

Thomas concluiu que as pedras azuis formaram originalmente um “círculo de pedra venerado” nalgum lugar do País de Gales. Para provar esta teoria, os investigadores tinham de encontrar o sítio original. Então, começaram a procurar um círculo de pedras galês que pudessem associar conclusivamente às pedras da Planície de Salisbury.

Começaram por ver primeiro em Waun Mawn, mas descartaram o local após uma breve investigação. Mesmo assim, mais tarde, regressaram a Waun Mawn para uma escavação especulativa final.

Para o deleite de todos, o supervisor da escavação, Dave Shaw, descobriu dois buracos de pedra vazios, um em cada extremidade do arco, onde antes tinham estado pedras. Escavações subsequentes encontraram outros buracos de pedra, dispostos num círculo com um diâmetro idêntico ao de Stonehenge.

Transporte pré-histórico
As evidências que ligam Waun Mawn a Stonehenge são fortes. Mas uma questão fascinante permanece: porque é que os humanos do Neolítico moveram as pedras? A análise científica dos restos mortais cremados das pessoas enterradas em Stonehenge há milhares de anos pode fornecer a resposta.

As pessoas enterradas lá há 5.000 anos vieram de diferentes regiões da Grã-Bretanha. Quatro dos indivíduos analisados tinham sinais geológicos de terem vivido no oeste do País de Gales. Portanto, parece altamente provável que as pessoas vieram com as pedras – e ficaram com elas.

Uma teoria para explicar porque é que as pessoas pré-históricas podem ter desmantelado um círculo de pedras no oeste do País de Gales e transportado até à Planície de Salisbury propõe que as pedras eram a personificação dos ancestrais destas pessoas.

Se há alguma verdade na lenda de Godofredo, pode ser apenas o menor grão. Como quem conta um conto acrescenta um ponto, fenómenos aparentemente inexplicáveis, como os enormes monólitos em Stonehenge, são frequentemente atribuídos a forças mágicas.

Mas, embora as pedras da Planície de Salisbury sem dúvida continuem a encantar as pessoas, este novo estudo ajudou a responder a algumas das questões persistentes que rondam o sítio arqueológico mais conhecido do Reino Unido.

ZAP // The Conversation

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *