A fome apátrida das aves

Nascido em Rossas, Vieira do Minho, às portas do Gerês, Francisco Duarte Mangas é jornalista, escritor e poeta. Personagem discreta das letras portuguesas, é um autor premiado e traduzido em várias línguas, cujo mais recente romance, A cidade das livrarias mortas (Teodolito, 2020), é seguramente uma das melhores obras de literatura portuguesa publicadas em 2020.

Mas neste mês de Março, que celebra a poesia e a natureza, é o poeta que queremos louvar. A fome apátrida das aves (Modo de Ler, 2013), livro de belo e cuidado grafismo, reúne parte da obra poética do autor e é prefaciado pelo também poeta Manuel Gusmão.

Os leitores reconhecerão porventura como seus alguns dos temas recorrentes desta poesia: os bichos da montanha, a cabra, o cão, o lobo; o pastor, a penedia agreste e erma; a urze e a giesta, o coelho, os tordos e os estorninhos, a perdiz. Talvez também se reconheçam na forma depurada como ela é cantada, lírica, sim, tomada de silêncios que fazem valer cada palavra, que a tornam densa e certa, como a rudeza da terra de onde tal canto brota. Uma poesia que se vê, como se estivéssemos a assistir a cenas pintadas umas vezes, a imagens em movimento no processo criativo do poeta, outras:

a cabra no inacessível

penhasco

escrevo prado

a cabra aproxima-se

agora rebanho

impacienta-se

erva: a cabra baixa a cabeça

retouça na página

Esta escrita, muito próxima da terra, comunga e faz-nos comungar dos movimentos e dos sentidos dos seres que a habitam. Há nela combate e resistência, um eco claro de esperança. Espreitemos, para o comprovar e concluir esta breve resenha, um excerto do poema O rebanho:

“somos árvores, sem nome como os animais bravios. acossadas, árvores acossadas: animais bravios. o fogo persegue-nos desde o início dos tempos. cerca-nos. (…) na natureza, o fogo não sabe, o luto revivifica. da devastação surgirá uma flor. e o rebanho, cativo, irá beber aí a brancura e começar de novo a caminhada no dorso da serra.”

Boas leituras e que viva a poesia!

 

Manuela Barreto Nunes [Bibliotecária]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *