China tem uma nova e inesperada arma contra as críticas à repressão dos uigures

A China tem uma nova arma de propaganda para defender as suas políticas em relação aos uigures: um musical chamado “The Wings of Songs”.

O filme apoiado pelo estado chinês, que estreou nos cinemas na semana passada, oferece um vislumbre da visão alternativa de Xinjiang que o Partido Comunista da China está a promover ao público interno e externo, de acordo com o The New York Times.

No musical, uigures e outras minorias cantam e dançam alegremente em trajes coloridos, uma visão chamativa de um estereótipo chinês sobre as minorias da região, que ativistas pelos direitos dos uigures denunciaram.

Numa das cenas, mulheres uigures são vistas a dançar num empolgante confronto ao estilo de Bollywood com um grupo de homens uigures. Noutra, um homem do Cazaquistão faz uma serenata a um grupo de amigos com um alaúde tradicional de duas cordas enquanto está sentado numa tenda.

Este musical surge numa altura em que as campanhas de propaganda chinesas se têm intensificado, após políticos ocidentais e grupos de direitos humanos terem acusado Pequim de submeter os uigures e outras minorias muçulmanas em Xinjiang a trabalhos forçados e genocídio.

“A noção de que os uigures podem cantar e dançar, portanto, não há genocídio – isso simplesmente não vai funcionar”, disse Nury Turkel, advogado uigur americano e investigador do Hudson Institute. “O genocídio pode ocorrer em qualquer lugar bonito.”

Numa altura em que foi submetida a sanções internacionais, a China respondeu com uma nova onda de propaganda de Xinjiang num amplo espectro. A abordagem vai desde retratar uma versão higienizada e alegre da vida em Xinjiang até ao envio de funcionários chineses para as redes sociais, para atacar os críticos de Pequim.

Segundo o Governo chinês, Xinjiang é agora um lugar pacífico onde chineses han, o grupo étnico dominante da nação, vivem em harmonia com as minorias étnicas muçulmanas da região, assim como as “sementes de uma romã”. É um lugar onde o governo conseguiu emancipar as mulheres das algemas do pensamento extremista. As minorias são retratadas como gratas pelos esforços do Governo.

De que fala o filme?
O musical “The Wings of Songs” leva a narrativa a um novo nível de indução ao medo. Conta a história de três jovens – um uigur, um cazaque e um chinês han – que se unem para perseguir os seus sonhos musicais.

O filme retrata Xinjiang, uma região predominantemente muçulmana no extremo oeste da China, livre de influência islâmica. Os jovens uigures estão barbeados e são vistos a beber cerveja, livres das barbas e abstinência de álcool que as autoridades veem como sinais de extremismo religioso.

Os uigures e outras minorias étnicas da Ásia Central também são retratados como totalmente assimilados pela corrente dominante. São fluentes em chinês, com poucas dicas das suas línguas nativas.

Além disso, dão-se bem com a maioria étnica chinesa han, sem nenhuma noção do ressentimento persistente entre os uigures e outras minorias em relação à discriminação sistemática.

Na segunda-feira, a venda de bilhetes para o filme rendeu 109 mil dólares, de acordo com a Maoyan, uma empresa que monitoriza estas vendas.

Ficção vs realidade
A narrativa apresenta um quadro totalmente diferente da realidade local, em que as autoridades mantêm um controlo rígido, usando uma densa rede de câmaras de vigilância e postos policiais e detêm muitos uigures e outros muçulmanos em campos de trabalho e prisões.

As autoridades chinesas negaram, inicialmente, a existência destes campos na região. Em seguida, descreveram as instalações como “colégios internos”, nas quais a frequência era totalmente voluntária. Agora, o Governo adota cada vez mais uma postura mais combativa, justificando as suas políticas como necessárias para combater o terrorismo e o separatismo na região.

As autoridades chinesas e os meios de comunicação estatais promoveram a narrativa do Governo sobre as suas políticas em Xinjiang, em parte pela divulgação de narrativas alternativas – incluindo desinformação – em redes sociais como o Twitter e o Facebook.

A campanha é centrada em diplomatas chineses no Twitter, contas de media estatais, influenciadores pró-Partido Comunista e bots, que costumam enviar mensagens com o objetivo de espalhar desinformação sobre os uigures e difamar investigadores, jornalistas e organizações que trabalham com as questões de Xinjiang.

China aumenta controle de natalidade em uigures para conter população muçulmana no país

O partido chinês também afirmou que precisava de tomar medidas firmes depois de uma onda de ataques mortais que abalou a região há alguns anos.

Na semana passada, o Governo alegou que havia descoberto um complô de intelectuais uigures para semear o ódio étnico. A CGTN, da emissora estatal da China, lançou um documentário que acusava os académicos de escrever livros que estavam cheios de “sangue, violência, terrorismo e separatismo”.

Os livros foram aprovados para uso em escolas do ensino básico e médio em Xinjiang durante mais de uma década. Em 2016, pouco antes do início da repressão, foram repentinamente considerados subversivos.

Maria Campos, ZAP //

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *