Lobos do Yukon mudaram a dieta para sobreviver à extinção da Idade do Gelo

Os lobos cinzentos (Canis lupus) do território de Yukon, no Canadá, sobreviveram à extinção no final da última Idade do Gelo adaptando a sua dieta ao longo de milhares de anos.

Os lobos cinzentos estão entre os maiores predadores que sobreviveram à extinção no final da última Idade do Gelo, há cerca de 11.700 anos. Atualmente, estes animais, cujas principais fontes de alimento são as cabras-montesas e os alces, podem ser encontrados nas florestas de Yukon.

Um novo estudo mostra que os lobos cinzentos conseguiram sobreviver adaptando a sua dieta ao longo de milhares de anos, desde a principal dependência de cavalos (Equus sp.) durante a Idade do Gelo, até aos alces (Alces alces) e renas (Rangifer tarandus).

Uma equipa liderada por Danielle Fraser do Museu Canadiano de Natureza, da Universidade Carleton e do Museu Nacional de História Natural Smithsonian investigou como as dietas dos lobos cinzentos de Yukon mudaram desde o Pleistoceno.

“Podemos estudar a mudança na dieta examinando os padrões de desgaste nos dentes e traços químicos nos ossos do lobo”, disse Zoe Landry, uma estudante da Carleton University, citada pelo Sci-News.

Enquanto as marcas de arranhões indicam que o lobo consumiu carne, a presença de covas sugere que mastigou e roeu ossos. A análise mostrou que as marcas de arranhões prevaleciam nos dentes dos lobos antigos e modernos, o que significa que os lobos continuaram a sobreviver como predadores primários, caçando as suas presas.

A dieta dos lobos antigos foi avaliada através da observação das proporções dos isótopos de carbono e nitrogénio extraídos do colagénio nos ossos. Os níveis relativos dos isótopos podem ser comparados com indicadores estabelecidos para espécies específicas.

Os resultados – publicados recentemente na Palaeogeography, Palaeoclimatology, Palaeoecology – mostraram que os cavalos (Equus sp.), extintos durante o Pleistoceno, responderam por cerca de metade da dieta do lobo cinzento. Cerca de 15% correspondia a cabras-montesas e carneiros-de-Dall, com alguns mamutes misturados.

Naquela época, os lobos antigos teriam coexistido com outros grandes predadores, cuja eventual extinção poderia ter criado mais oportunidades para os lobos fazerem a transição para novas espécies de presas.

“Esta é realmente uma história de sobrevivência e adaptação à Idade do Gelo, e a construção de uma espécie em direção à forma moderna em termos de adaptação ecológica”, disse Grant Zazula, paleontólogo do Programa de Paleontologia do Governo de Yukon.

Liliana Malainho, ZAP //

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *