Cientistas revelam idade máxima que os humanos podem atingir

Sabemos que é difícil festejar o centenário de um ser humano, mas não sabemos qual a idade máxima que uma pessoa consegue atingir. Um novo estudo tirou as dúvidas e revelou o número.

O envelhecimento dos seres humanos é um processo complexo e de várias fases, pelo que seria difícil compactar o processo de envelhecimento num único número, como a idade biológica.

Uma equipa de cientistas da empresa Gero, em colaboração com o Roswell Park Comprehensive Cancer Centre, elaborou um estudo para definir a idade máxima que os seres humanos podem atingir, escreve o CNET.

Para calcular o número, foi usada Inteligência Artificial (IA) para analisar a saúde e dados físicos das análises ao sangue feitas a um grupo de voluntários ingleses e norte-americanos. Os cientistas conseguiram chegar a uma resposta através de uma combinação de variáveis relacionadas com a idade e as trajetórias de envelhecimento, considerando fatores como cancro e doenças neurológicas ou cardíacas.

Os investigadores concluíram que a esperança média de vida depende de dois fatores principais: a idade biológica – associada ao estilo de vida, stress e doenças crónicas – e a resiliência – relacionada com a rapidez com que uma pessoa recupera o bem-estar, após um período de doença.

O artigo científico, publicado recentemente na Nature Communications, estabeleceu os 150 anos como idade “máxima”, sendo que é no intervalo entre os 120 e os 150 que os humanos mostram uma perda completa de resiliência.

A resiliência – isto é, a capacidade de o corpo humano se recuperar de doenças, acidentes ou qualquer outra coisa que sobrecarregue os seus sistemas – diminui à medida que as pessoas envelhecem. Uma pessoa de 80 anos exige três vezes mais tempo para se recuperar do que uma pessoa de 40 anos, em média.

“Isto explica porque é que mesmo a prevenção e tratamentos mais efetivos no que toca a doenças relacionadas com a idade pode apenas melhorar a esperança média de vida, e não a máxima – a menos que se desenvolvam verdadeiras terapias anti-envelhecimento”, explicou Andrei Gudkov, citado pelo SciTechDaily.

“A investigação mostra que a taxa de recuperação é uma assinatura importante do envelhecimento que pode orientar o desenvolvimento de medicamentos para desacelerar o processo e estender a longevidade”, comentou, por sua vez, David Sinclair, professor de genética da Harvard Medical School.

A francesa Jeanne Calment faleceu aos 122 anos, em 1997, tendo sido a pessoa que viveu mais tempo de que há registo. Já a pessoa mais velha viva é a japonesa Kane Tanaka, de 118 anos, nascida em 1903.

ZAP //

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *