Projeto artístico ‘Lições Iluminadas’ pode ser visitado em Guimarães a partir de 22 de junho

A partir das 11h da próxima terça-feira, 22 de junho, no Centro Internacional das Artes José de Guimarães (CIAJG), já é possível conhecer o resultado da 2ª edição do “Lições Iluminadas”, um projeto artístico desenvolvido pela Educação e Mediação Cultural d’A Oficina.

Concretizado ao longo do ano letivo 2020/2021, “Lições Iluminadas” foi construído com 11 turmas de crianças do 3º ano do 1º ciclo do Ensino Básico, pertencentes aos agrupamentos escolares do concelho de Guimarães.

Depois de uma primeira edição interrompida pelos contextos de confinamento impostos pela situação pandémica, esta é a primeira vez que este projeto vê concluído o caminho do seu processo criativo.

Acontecendo num sentido exploratório no CIAJG, “Lições Iluminadas” é um projeto que tem como aspiração unir e colocar em diálogo o lugar da Escola com o lugar do Museu, criando pontes entre estes, permitindo que a Escola possa acontecer em qualquer lugar e o Museu possa habitar e viver noutros locais, como é o caso refletido nas oficinas aqui desenvolvidas.

Enquanto projeto artístico que se faz a partir de um museu, a experimentação na relação com a sensibilidade estética da criança é a sua base estrutural. Estreitam-se relações entre o mundo real, o mundo sensível, a criança e, consequentemente, a linguagem artística e os objetos museológicos.

Concretizada em 2020/2021, a 2ª edição do “Lições Iluminadas” foi construída através de um processo criativo contínuo com 11 turmas de crianças do 3º ano do 1º ciclo do Ensino Básico de escolas do concelho de Guimarães.

Ao longo de quatro sessões em grupo, e numa relação de contínua troca de pensamentos, foram abordadas ideias chave da história da arte: para que servem os museus, quem são afinal os artistas, mas, acima de tudo, sobre como nos podemos tornar pessoas mais sensíveis às coisas que não se traduzem somente em palavras.

Este projeto, coordenado por Marta Silva e com direção criativa de Rita Senra, começou com uma visita à coleção permanente do Centro Internacional das Artes José de Guimarães e desenrolou-se com três oficinas no espaço da sala de aula de cada uma das escolas, transformado especialmente para estes momentos.

Durante o processo, as certezas eram poucas, mas exatas: todas as dúvidas devem tomar forma de pergunta e todas as ideias são ideias válidas; a criatividade é quem comanda. O trabalho foi desenvolvido a partir de todos os sentidos para assim se obterem formas de entendimento várias e, com elas, variadas experiências e alguns objetos. De volta ao espaço base, todo o processo é agora exibido numa exposição coletiva no Centro Internacional das Artes José de Guimarães.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *