Camas têm tantos germes que são basicamente uma placa de Petri

Apesar de serem confortáveis e nos fazerem sentir relaxados, as camas não são muito diferentes de uma placa de Petri: há bactérias, fungos, vírus e até pequenos insetos.

A combinação de suor, saliva, caspa, células mortas e até partículas de comida fazem com que a cama seja o ambiente ideal para o crescimento de uma série de germes, tais como bactérias, fungos, vírus e pequenos insetos.

Uma investigação que se debruçou sobre as roupas de cama dos hospitais descobriu que as bactérias Staphylococcus são muito comuns. Apesar de serem tipicamente inofensivas, estas podem causar doenças graves quando entram no corpo através de uma ferida aberta — e certas espécies de Staphylococcus podem causar mais danos do que outras.

As bactérias Staphylococcus aureus, por exemplo, que vivem nas fronhas das almofadas e podem ser resistentes aos antibióticos, são bastante contagiosas e podem causar infeções de pele, pneumonia e agravar a acne.

As E. coli e outras bactérias semelhantes, conhecidas como bactérias gram negativas — que são altamente resistentes a antibióticos —, são também comuns em camas hospitalares e podem causar infeções humanas graves, como infeções do trato urinário, pneumonia, diarreia, meningite e septicemia, sustenta o estudo.

É claro que os hospitais são muito diferentes do nosso ambiente em casa, escreve o The Conversation. Mas isso não significa que não seja possível que estas bactérias entrem nas nossas camas. Na realidade, cerca de um terço das pessoas transportam Staphylococcus aureus nos seus corpos e podem libertar o organismo em grande número — o que significa que seria bastante fácil transferi-las para a cama.

No entanto, não são apenas bactérias que habitam nas nossas camas. As cerca de 500 milhões de células de pele que perdemos por dia — e enquanto dormimos — podem atrair e ser comidas por ácaros microscópicos. Estes ácaros (e os seus excrementos) podem desencadear alergias e até mesmo asma.

Além disso, os percevejos, que nunca demonstraram transmitir doenças, podem ser levados para casa em superfícies macias, tais como roupas ou mochilas, e podem causar marcas de picadas vermelhas que causam comichão.

Enquanto os ácaros morrem se se lavar e secar roupa de cama a alta temperatura (cerca de 55ºC), os percevejos podem precisar de ser exterminados profissionalmente.

Outra forma de contaminar as nossas camas é a partir de artigos domésticos contaminados — tais como roupa, toalhas, sanita ou mesmo animais de estimação.

As toalhas de banho e os panos de cozinha, por exemplo, são hospedeiros de várias espécies de bactérias e a sua lavagem inadequada, juntamente com os lençóis, pode propagar os germes. Mesmo doenças como a gonorreia podem ser transmitidas através de toalhas ou lençóis contaminados.

As S. aureus podem sobreviver durante uma semana em algodão e duas semanas em tecido felpudo; as espécies fúngicas (tais como Candida albicans) podem sobreviver em tecidos durante até um mês; e os vírus da gripe durante 8 a 12 horas.

Como fazer a correta higiene da cama?
Uma lavagem adequada e regular é a chave para garantir que os germes não se transformem numa verdadeira ameaça para a saúde. Assim, todas as manhãs devemos puxar o edredão para trás para que os lençóis possam arejar antes de fazer a cama, uma vez que a humidade se acumula nela enquanto dormimos.

Os colchões também podem ser uma grande fonte de bactérias e micróbios, mas, tebdo em conta que é difícil lavar um colchão, deve utilizar-se uma cobertura lavável e lavá-la todas as semanas ou a cada duas. Aspirar o colchão e a base da cama todos os meses também ajudará a remover alergénios e pó. A cada dez anos, os colchões devem ser trocados.

Recomenda-se ainda que a roupa de cama seja lavada todas as semanas, especialmente se passar muito tempo na cama, dormir nu, ou suar muito à noite. Já as fronhas de almofada deveriam ser mudadas de dois em dois ou de três em três dias.

Todas as roupas de cama devem ser lavadas em temperaturas quentes a altas (cerca de 40ºC a 60ºC), a fim de matar eficazmente os germes.

Por fim, devemos tomar banho antes de dormir, evitar entrar na cama enquanto transpiramos, com roupa do dia-a-dia e evitar loções, cremes e óleos mesmo antes de dormir.

ZAP // The Conversation

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *