Leão encalhou em Famalicão e continua sem ‘matar o borrego’

O Sporting continua sem matar o borrego diante do Famalicão, afinal desde que o emblema minhoto regressou à I Liga o leão ainda não venceu a formação nortenha. À quinta ocasião, o campeão nacional voltou a deixar fugir dois pontos. Nuno Mendes marcou na própria baliza, aos 68 minutos, para aos 82’ Palhinha restabelecer a igualdade.

Desta feita, o clube de Alvalade perdeu assim os primeiros pontos da temporada, partilhando agora a liderança com FC Porto e Estoril, todos com sete pontos. Por sua vez, o Famalicão somou o primeiro ponto na competição e iguala Belenenses SAD e Santa Clara na parta baixa da classificação.

Leão só acordou quando Porro entrou
Numa primeira parte sem golos e com um leão de pouca garra e fraco rugido, os primeiros 17 minutos viveram de alguns fogachos do campeão nacional, com as ocasiões mais flagrantes a pertencerem a Jovane (falhou a receção quando aparecia isolado diante da cara de Luiz Júnior), Paulinho e Pedro Gonçalves.

Instantes iniciais da partida que ficaram pautados por um Fábio Veríssimo de mão pesada e contagiado por uma ‘febre amarela’ inexplicável: quatro amarelos nos primeiros 14 minutos e nem Rúben Amorim escapou à advertência disciplinar.

A partir daqui o jogo mais fluído pertenceu ao Famalicão, que colocou Antonio Adán em serviço. O guardião espanhol respondeu à altura e negou por duas ocasiões o golo a Ivo Rodrigues.

A etapa complementar começou com a mesma pauta da primeira e com um Famalicão mais atrevido, a espreitar logo de início a baliza de Adán. E, por breves centímetros, Iván Jaime falhou o alvo logo aos 47 minutos.

Rúben Amorim mexeu pouco depois e as alterações surtiram efeito com Porro a ganhar na velocidade a Rúben Lima e, na sequência do cruzamento, Nuno Santos a atirar ao poste. E bastaram dois minutos em campo da dupla luso-espanhola para os leões terem aos 59 minutos a jogada de maior perigo na partida.

Porém, poucos minutos passaram para o jogo voltar aos contornos que já assumia: aos 68 minutos, Iván Jaime libertou-se de Porro, assistiu Ivo Rodrigues que fez o movimento de ruptura e contornou Adán, para depois Gonçalo Inácio, na altura do corte, acertar em Nuno Mendes que, por infortúnio, introduziu a bola dentro da própria baliza.

Porém, o leão, apesar de amorfo, nunca largou a presa e aos 82 minutos acabou mesmo por chegar à igualdade, por intermédio de Palhinha.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *