‘Fragmentos’ literários dos alunos de Amares acabam em livro

‘Fragmentos’ é o título do livro que reúne as produções literárias elaboradas pelos alunos do Agrupamento de Escolas de Amares ao longo do último ano letivo. Textos impulsionados, também, pelo concurso literário Sá de Miranda e pelo projeto ‘ParAmares a Leitura’ que conta com a parceria do Município e da Biblioteca Municipal. O livro foi apresentado pelo, ainda, vereador da cultura da câmara, Isidro Araújo, a despedir-se da política e da educação.

“O resultado final que agora aparece é surpreendentemente abrangente e diverso, com uma multiplicidade de textos, de diferentes géneros, que aqui ficam reunidos: contos, textos intimistas, poesia, ensaios de reflexão”, começou por explicar o bibliotecário escolar, Jorge Brandão, justificando o título: “sem um tema unificador entre todos, resultam em fragmentos de um tempo em que vivemos”.

A capa apresenta ‘fragmentos’ de um painel artístico existente na escola e que “poucos devem ter dado por ele”. A diretora do Agrupamento falou de “uma escola velha que está à vista de todos”, mas onde isso “não é o essencial. São vocês todos o mais importante”, dirigindo-se aos alunos presentes.

Flora Monteiro garantiu que, enquanto fosse diretora, irá fazer todos os esforços para manter a publicação deste livro: “os textos dos alunos são suficientes para fazer o livro”, só possível com apoio de várias empresas porque “a escola não tem dinheiro para isso”.

“O sítio onde fui mais feliz”
Coube a Isidro Araújo fazer a apresentação de ‘Fragmentos’. Começando por lembrar os 30 anos de docente e 16 anos onde fez outras coisas, incluindo política, Isidro Araújo revelou que “foi nesta escola, o sítio onde foi mais feliz, os afetos que recebi foi aqui enquanto professor” e em reta final para a pedir a reforma, reconheceu que, por isso, “não seria capaz de voltar porque como diz o ditado ‘não voltes a um local onde já foste feliz’”.

“A minha passagem pela política não me marcou, deixou-me experiências, mas não me deixa saudades ao contrário da escola”, acrescentou ainda. ‘Fragmentos’ é a 19ª publicação feita com textos dos alunos, numa iniciativa lançada, precisamente, por Isidro Araújo enquanto diretor do Agrupamento”.

Prémio escolar para alunos
De saída do executivo, o ainda vereador da Cultura, revelou que já falou com a sua sucessora no cargo (Cidália Abreu) para a criação de um prémio escolar Sá de Miranda, nos anos em que não há concurso internacional literário.
Manifestando a sua disponibilidade para organizar o regulamento do prémio, segundo Isidro Araújo a intenção é premiar o aluno do Agrupamento de Escolas com a melhor nota no exame nacional de língua portuguesa.

Isidro Araújo foi, de surpresa, homenageado pelo Agrupamento de Escolas, depois de um texto escrito e lido pela professora Ana Forte, recebeu um coração criado por uma artista plástica, símbolo da “sua dedicação, empenho e esforço” enquanto docente e diretor da escola.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *