Três concorrentes para a construção da ETAR de Braga

No âmbito do Concurso Público Limitado por Prévia Qualificação, com publicação internacional, relativo à Empreitada de Conceção e Construção do Emissário e ETAR do Este, a AGERE procedeu à abertura das respetivas propostas, conforme previsto no cronograma inicial.

O referido Concurso foi dividido em dois lotes, sendo o Lote 1 relativo ao Emissário que transportará o efluente até à ETAR e o Lote 2 relativo à própria ETAR.

Foram rececionadas 3 propostas para cada um dos lotes, as quais se encontram em fase de análise pelo júri do concurso.

O concurso para a nova ETAR de Braga, foi lançado em 20/04/2021, com o valor base de 30 milhões de euros, visando este investimento reforçar o Sistema de Tratamento de Águas Residuais do Município de Braga e, consequentemente, contribuir para a melhoria da qualidade das massas de água.

“Este é um investimento que esta administração e este executivo camarário têm como prioritário pois permite aumentar a resiliência do Sistema Cidade de Braga, bem como o reforço substancial da capacidade de tratamento instalada, e ainda pela divisão dos caudais de descarga em duas bacias hidrográficas (Cávado e Ave), mantendo-se, no entanto, a interligação entre os Sistemas, permitindo corrigir definitivamente os problemas atuais existentes”, refere o administrador da AGERE, Rui Morais.

O principal objetivo do investimento a realizar consiste no reforço do Sistema de Tratamento de Águas Residuais do Concelho de Braga, “o que só será conseguido com a construção da nova ETAR do Este”, que drenará para uma outra bacia, a bacia hidrográfica do rio Ave, e terá capacidade de tratamento dos efluentes de cerca de 200 mil habitantes equivalentes, e, assim, irá eliminar as atuais descargas indevidas, “constituindo em conjunto com a ETAR de Frossos, a garantia de capacidade de tratamento e de descarga necessárias para o cumprimento da Diretiva Águas Residuais Urbanas no respetivo Sistema”.

Rui Morais acrescenta que “com esta nova ETAR serão obtidos elevados benefícios ambientais e de saúde pública, permitindo não só tratar convenientemente as águas residuais do Sistema Cidade de Braga, com um importante impacto no sistema sensível onde se encontra, mas também permitir dividir a descarga de caudais entre as 2 bacias hidrográficas (Cávado e Ave) com inevitáveis benefícios ambientais, visando também contribuir de forma mais resiliente e sustentada para o cumprimento da Diretiva Comunitária e da legislação nacional relativa ao tratamento de Águas Residuais Urbanas.

Dentro do referido cronograma, é expectável a adjudicação da empreitada durante o próximo mês de fevereiro, e o início da construção no primeiro semestre de 2022, mantendo-se a previsão de conclusão em finais de 2023.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.