Presidente da Câmara de Vila Verde acusa a oposição de “falta de rigor e verdade”

O presidente da Câmara de Vila Verde usou as redes sociais para criticar notícias vindas a público “em alguns órgãos de comunicação social, com origem na oposição que não correspondem à verdade”.

António Vilela diz que “tais notícias pautam-se pela falta de rigor e verdade” e por isso, torna-se “necessário tornar pública a verdade dos fatos”.

“Contrariamente ao que foi divulgado, nunca em momento algum da última reunião do executivo ou em qualquer outra reunião os membros do executivo do Partido Social Democrata proferiram qualquer acusação sobre nenhum membro do executivo do Partido Socialista, antes pelo contrário, sempre os trataram com toda a dignidade e respeito, o que nem sempre acontece por parte da oposição”, revela o autarca.

António Vilela diz, ainda, que “não correspondem à verdade as declarações divulgadas sobre o que se passou na reunião do executivo relativas à possível atribuição de um subsídio à instituição Aliança Artesanal”.

Instituição, pessoas e quem despenha funções “merecedoras do maior agradecimento e do respeito de todos” e não ser usada “como arma de arremesso político”.

Oportunidade de falar pela positiva

Para o presidente da câmara, a oposição perdeu uma oportunidade para falar pela positiva numa altura em que o trabalho da Aliança Artesanal foi “reconhecido através da participação dos Lenços de Namorados na fase final distrital das 7 maravilhas da Cultura Popular”.

Oposição que perdeu a oportunidade “para valorizar o desempenho do município e a excelente saúde financeira do mesmo. De facto, com o rigor orçamental que tem vindo a ser posto em prática, o município de Vila Verde reduziu o seu endividamento entre 2014 e 2019 em 47,27% (27.669.57,00€ em 2014 para 14.589.512,00€ em 2019). No exercício do ano de 2019 verificou-se uma redução da dívida total na ordem dos 2 milhões de Euros”.

“Dignificação do cargo que ocupam”

No esclarecimento, António Vilela deixa, nas entrelinhas, muitas críticas à postura da oposição. “Exige-se que cada ator da cena política tenha um comportamento que contribua para dignificar o cargo que ocupa, a instituição que serve e seja um promotor ativo do desenvolvimento”.

E vai mais longe: “não é aceitável, que pessoas com responsabilidades políticas no concelho, que deveriam ser as primeiras a dar o exemplo, optem por, através da falta à verdade criar factos, que em nada contribuem para o bom nome das pessoas e do concelho”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *