Escola Monsenhor Elísio Araújo arranca segundo lugar em projeto nacional ligado ao ‘Eco-Escolas’

A Escola Básica Monsenhor Elísio Araújo ficou em segundo lugar a nível nacional no desafio ‘As Aves da Minha Escola’ inserido no projeto ‘Eco-Escolas’.

Com efeito, num projeto realizado em articulação vertical entre os alunos e professores do 1º CEB e do 2º e 3º CEB, a escola conseguiu o 2º lugar nacional.

“O trabalho, a resiliência, a criatividade e a energia dos nossos alunos, sob a batuta da professora Maria João Fernandes e do corpo docente do CE da Escola Monsenhor Elísio Araújo, voltou a dar frutos”, refere a direção do Agrupamento de Escolas de Vila Verde.

A entidade promotora do projeto ‘Eco-Escolas deu os parabéns “pela qualidade final e o empenho colocado no trabalho desenvolvido no âmbito deste projeto.

“O nosso reconhecimento redobrado pelo facto de, mesmo em contexto de ensino à distância, não terem desistido, e conseguirem motivar os vossos alunos e colegas a participar, dando continuidade ao Eco-Escolas e ao trabalho de educação ambiental que, como sabemos, tem que ser ele próprio resiliente”.

O desafio ‘As Aves da Minha Escola’, resultante de uma parceria ABAE | Eco-Escolas e a SPEA – Sociedade Portuguesa Para o Estudo das Aves, foi lançado pela primeira vez este ano letivo e teve como objetivo dar a conhecer e promover a ação pela proteção da biodiversidade que rodeia o espaço escolar, dando particular enfoque à diversidade de aves.

O desafio consistiu na concretização de 3 atividades contíguas: criar um comedouro/bebedouro; elaborar até 4 fichas de espécies de aves que são habitualmente avistadas e apresentar e divulgar essas mesmas espécies através de um trabalho criativo.

Na sequência da interrupção das aulas presenciais e consequente encerramento das escolas, propôs-se às escolas uma adaptação deste desafio, com o trabalho direcionado não ao espaço escolar, mas sim ao espaço envolvente da casa de cada aluno, transformando cada uma das fases em atividades distintas, não sendo obrigatória a participação em todas elas.

O desafio contou uma elevada participação, tendo sido submetidos, no total, 267 trabalhos. A atividade 1, de construção de comedouros/bebedouros foi a mais participada, com 188 trabalhos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *