Desapareceu tão misteriosamente como apareceu o monólito do deserto do Utah e apareceu outro na Roménia

O monólito de metal descoberto, na semana passada, no meio do deserto do Utah, nos EUA, desapareceu sem deixar rasto. O mistério adensa-se em torno do objecto que alguns já apelidaram de “extraterrestre”, até porque apareceu outro semelhante na Roménia.

A estrutura de metal com três lados e mais de 3 metros de altura foi descoberta por elementos do Departamento de Segurança Pública do Utah, no passado dia 18 de Novembro, enquanto supervisionavam a presença de carneiros selvagens no meio do deserto Red Rock.

Mas o estranhou objecto desapareceu sem deixar pistas, adensando o mistério.

O gabinete federal de Gestão de Terras do Utah destaca no seu perfil do Facebook que recebeu “relatos credíveis” de que a “estrutura instalada ilegalmente” foi “removida” do local por “parte desconhecida”.

Assegurando que não removeu o objecto que considera “propriedade privada”, a entidade aponta que a estrutura foi retirada do local por “uma pessoa ou um grupo”, na “noite de 27 de Novembro”.

Já o Departamento de Segurança Pública do Utah anuncia no seu perfil do Instagram que o monólito “desapareceu”, como cita o New York Times (NYT).

“Quase tão depressa como apareceu, agora desapareceu”, sustenta este Departamento, brincando que “se pode especular” se foram extraterrestres a levarem-no de volta, de acordo com a transcrição do NYT.

O porta-voz do Departamento, Nick Street, tinha revelado, na semana passada, que o monólito estava embutido na rocha.

“Alguém se deu ao trabalho de usar algum tipo de ferramenta de corte de cimento ou algo para cavar, quase na forma exacta do objeto, e encaixá-lo muito bem”, apontou, considerando que era “estranho”.

“Há estradas próximas, mas transportar os materiais para cortar a rocha e transportar o metal que tem mais de 3,6 metros em secções, fazer isso tudo, naquele local remoto, é definitivamente interessante“, disse ainda Nick Street.

As autoridades acreditam que o objeto é uma obra de arte, mas não se sabe de quem.

Há especulações de apontam que pode ser obra do escultor John McCracken que era fã de ficção científica e que morreu em 2011.

O filho do artista, Patrick McCracken, revela ao NYT que o pai lhe disse, em 2002, que “gostaria de deixar a sua arte em locais remotos para ser descoberta mais tarde”.

Apesar de as autoridades não terem revelado o local onde o objecto foi encontrado, várias pessoas chegaram à sua localização. Uma delas foi o explorador amador David Surber que tirou fotografias e fez vídeos do objecto para divulgar online.

Surber mostrou aos seus seguidores nas redes sociais que o monólito não era sólido, nem magnético e que parecia “uma caixa de cartão” quando lhe batia. Também partilhou instruções sobre a forma como chegar ao monólito.

“No final de contas, seja extraterrestre ou feito por expressão artística, o monólito deu uma oportunidade a milhares de pessoas de se unirem em torno de algo positivo novamente. “Foi uma boa fuga de toda a negatividade que experimentamos em 2020″, salienta Surber num email enviado à CNN.

A investigação ao desaparecimento do objecto está agora a cargo do xerife local.

Monólito semelhante foi encontrado na Roménia
Entretanto, chegam relatos da Roménia da descoberta de um monólito semelhante na colina de Batca Doamnei, em Piatra Neamt, no norte do país.

O Daily Mail revela que a estrutura foi encontrada neste local na passada quinta-feira, 26 de Novembro, situada a alguns metros de distância da Fortaleza Dácia de Petrodava, um conhecido local arqueológico que reporta ao antigo povo daciano.

O monólito está localizado numa zona arqueológica protegida e, portanto, teria que haver autorização das autoridades para a sua colocação. A responsável da Cultura de Piatra Neamt revela que o caso já está a ser investigado.

Entretanto, há quem acredite que os monólitos podem ter alguma coisa a ver com o livro “2001: Odisseia no espaço” de Arthur C. Clarke que deu origem ao filme com o mesmo nome do realizador Stanley Kubrick. A obra faz referência a um monólito que aparece em África, há 3 milhões de anos, tornando um grupo de macacos esfomeados inteligentes e capazes de desenvolverem ferramentas.

ZAP //

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *