Monges cristãos podem ter enterrado tesouro para enganar os Vikings

Um tesouro descoberto em Balmaghie, na Escócia, em 2014, pode ter sido escondido por monges ou padres cristãos por causa dos Vikings.

Há mais de mil anos, alguém escondeu um tesouro opulento com mais de uma centena de objetos no subsolo da cidade escocesa de Balmaghie. Em 2014, ano em que foi descoberto, os investigadores pensaram que tinham sido os Vikings a enterrá-lo. Estavam enganados.

Segundo conta o site Live Science, uma nova análise deste tesouro revelou que, embora os objetos de grande valor tenham sido enterrados durante a Era Viking (793-1066 D.C.), é provável que o trabalho tenha sido feito por monges ou padres cristãos.

A maioria dos artefactos está agora em exibição na exposição “Galloway Hoard: Tesouro da era Viking”, no Museu Nacional da Escócia, em Edimburgo, que mostra como o tesouro foi enterrado em quatro camadas distintas.

A camada superior continha um pacote de barras de prata, assim como uma rara cruz anglo-saxónica. É possível que estes objetos tenham sido usados como uma espécie de “isco” para desviar a atenção das camadas mais abaixo, relata o jornal The Independent.

Abaixo da primeira camada havia uma secção maior, dividida em três partes. A primeira continha outro pacote de barras de prata, com o dobro do tamanho do primeiro, embrulhado em couro.

O segundo continha um conjunto de argolas de prata que estavam amarradas entre si e escondiam uma pequena caixa de madeira com três objetos de ouro e, por fim, o terceiro continha o mais valioso: um vaso prateado, com tampa de metal, decorado com prata dourada.

Este recipiente foi meticulosamente embalado em lã e outros tecidos. “A sua decoração mostra desenhos de leopardos, tigres e símbolos religiosos do Zoroastrismo, que sugerem que era uma peça da Ásia Central“, explica Martin Goldberg, curador principal de arqueologia e história medievais do museu escocês.

Além deste objeto, também estavam embrulhados outros objetos em seda, como contas, pingentes, broches, pulseiras, um conjunto elaborado de cintos e uma jarra.

O tesouro dá aos arqueólogos uma rara visão das relíquias que as igrejas e os mosteiros anglo-saxões possuíam e que provavelmente enterravam para os esconder dos Vikings.

ZAP //

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *