Vila Verde apoia requalificação do cruzeiro dos evangelistas e estátuas de santos em Soutelo

A obra de requalificação do Cruzeiro dos Evangelistas e as Estátuas de Santos em redor da Igreja Paroquial de Soutelo, realizada pelo Fábrica da Igreja Paroquial de S. Miguel de Soutelo, com o apoio da Câmara Municipal de Vila Verde, representa um importante contributo para a preservação e valorização do rico património histórico-cultural edificado concelhio.

Edificado no século XVIII, o Cruzeiro dos Evangelistas é um dos vários monumentos de elevado valor histórico e cultural da da freguesia de Soutelo e uma das jóias barrocas do concelho de Vila Verde, representado uma homenagem aos escritores dos quatro evangelhos do Novo Testamento, Lucas, Mateus, Marcos e João.

Por seu turno, a chegada, a igreja paroquial de Soutelo “recebe” os seus paroquianos e visitantes com o muro pontuado por uma várias estátuas de santos esculpidas em granito, um conjunto sem igual em toda a região do Minho, onde estão representados os mais conhecidos santos de nome Francisco.

Consciente da importância patrimonial deste elementos arquitetónicos religiosos e da necessidade de proceder à sua reabilitação, a Câmara Municipal de Vila Verde concedeu um subsídio de 30 mil euros à Fábrica da Igreja Paroquial de S. Miguel de Soutelo para apoio na realização desta muito relevante obra.

Numa visita ao local, acompanhado pelo pároco de São Miguel de Soutelo, Padre Marcelino Silva, o Presidente da Câmara Municipal de Vila Verde, António Vilela, apreciou a meticulosidade da intervenção e reconheceu que “este magnífico conjunto arquitetónico, com a intervenção que está a ser executada, vai ver reforçada, ainda mais, a dignidade e o encanto que, indiscutivelmente, o caraterizam e que fazem dele um dos ex-líbris de Soutelo e do concelho de Vila Verde”.

Para António Vilela “o concelho de Vila Verde apresenta uma diversidade e uma riqueza patrimoniais ímpares que se impõe preservar e valorizar, porque os Vilaverdenses são pessoas com memória, que sabem honrar o enorme e valioso legado que os seus antepassados lhes deixaram, além de que este património se afirma também e cada vez mais como um fator de atratividade e de desenvolvimento do turismo local e regional”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *