Álvaro Pacheco pede Vizela “agressivo” para voltar aos triunfos

O treinador Álvaro Pacheco afirmou hoje que o Vizela deve ser “intenso” e “agressivo” para derrotar um Portimonense “experiente” e regressar às vitórias na I Liga portuguesa de futebol, em partida da oitava jornada, no sábado.

Sem qualquer triunfo desde a ronda inaugural, em que se impôs ao Rio Ave (1-0), a formação minhota ocupa o 14.º lugar da tabela, com cinco pontos, e precisa de “muita concentração” para voltar a vencer, sabendo que tem de ultrapassar um adversário, atual quinto classificado, com 15 pontos, que “sabe aproveitar todos os momentos do jogo”, frisou o técnico.

“Sem bola, temos de ser agressivos. Temos de manter a nossa equipa intensa. Sem bola, temos de ser capazes de controlar o jogo de profundidade do Portimonense, o jogo exterior e os cruzamentos. Com bola, temos de saber quando e como acelerar. Sem bola, o Portimonense sente-se confortável, e quando a ganha é perigoso”, avisou, na conferência de antevisão ao duelo marcado para as 15:30, em Vizela.

O ‘timoneiro’ pediu, aliás, aos futebolistas ‘azuis e brancos’ para se manterem “tranquilos e serenos”, “focados” no seu jogo com um oponente “à imagem do seu treinador”, Paulo Sérgio.

“É uma equipa madura, experiente, muito agressiva e pragmática, que identifica bem os ‘timings’ de jogo. Neste campeonato, todos os jogos são difíceis”, detalhou.

Convencido de que a paragem competitiva serviu para “trabalhar aspetos fundamentais” para o crescimento do plantel, Álvaro Pacheco perspetivou ainda “um jogo com golos”, em virtude das “fortes individualidades” algarvias e do “caudal ofensivo” vizelense em jogos anteriores, que tem valido “muitos remates”, 83, segundo as estatísticas da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, traduzidos em cinco golos.

“O Vizela cria muitas oportunidades de golo. Aquele pormenorzinho de sermos capazes de concretizar está perto, para chegarmos aos golos e à vitória”, assinalou o treinador.

O técnico revelou ainda que Milutin Osmajic é opção para o embate de sábado, depois de ter tido uma conversa com o ponta de lança acerca da suspensão da seleção de Montenegro antes do embate de terça-feira com a Finlândia, para a Liga das Nações, após ter falhado a hora de regresso ao local de estágio na noite anterior e o pequeno-almoço conjunto na manhã de terça-feira.

“Tive uma conversa com ele, fundamental para lhe fazer ver as coisas. Temos de olhar para os nossos jogadores como uns filhos, educá-los, fazer-lhes ver o que é a vida, para verem o que têm de crescer humanamente. Os problemas que acontecem na seleção não os trazemos para o Vizela. Os jogadores sabem o que o Vizela pretende deles e quer vê-los comprometidos”, adiantou.

O Vizela, 14.º classificado da I Liga portuguesa, com cinco pontos, recebe o Portimonense, quinto, com 15, em jogo agendado para as 15h30 de sábado, no Estádio Municipal de Portimão, com arbitragem de António Nobre, da Associação de Futebol de Leiria.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.