‘Foi Deus’ que pôs Inês Torres a cantar fado (com vídeo)

Inês Torres é uma das presenças habituais nas mostras de talentos em Vila Verde. Recentemente, ganhou ‘fama’ quando foi finalista do ‘Há Fado na Praça’ do programa ‘Praça da Alegria, na RTP. Aos 13 anos sonha seguir Medicina e gostava de fazer carreira paralela no fado.
Nasceu em Vila Verde, “mas sinto-me como se fosse de Pico de Regalados porque a minha família é daqui, é onde moram os meus avós e sou muito apegada a eles, andei na catequese e fiz a primeira comunhão, fiz a escola primária”.

Feita a declaração de ‘amor’ à terra, Inês lembra-se de aos seis anos participar na mostra de talentos da Festa das Colheitas de Vila Verde depois da mãe a ter inscrito. ‘Anjo Selvagem’ dos Maxi foi a escolha.

“Eu sempre gostei de cantar e fui sempre a essas mostras de talentos até que fui ao ‘Fado na Praça’ da RTP”. Já lá vamos.

Academia de Música
A mãe sempre achou que tinha jeito para cantar e, a partir dos seis anos, foi paa a Academia de Música: “aí apercebi-me de que gostava de cantar. Aprendi também a tocar violino”. O fado não estava, ainda, nos seus horizontes até que…

Fado
“Eu sempre gostei de ouvir fado e comecei a cantar por volta dos 10 anos quando ouvi ‘Foi Deus’ música que levei ao concurso da RTP. A partir daí comecei a cantar fado”.

A primeira vez que ouviu o fado celebrizado por Amália, tinha 10 anos e tocava na rádio. A partir daí ‘gastou’ os telemóveis e os computadores a ouvir a música. “A partir dessa idade, sempre que cantava em público ou na escola, dei preferência ao fado”.

Inês aprende rápido. “Basta ouvir uma vez ou duas para conseguir decorar a letra facilmente porque não é algo que tenha de fazer esforço, faço-o por gosto, mas depois de aprender a letra temos que trabalhar ainda mais. Para além do sentimento que queremos transmitir há técnicas que temos de as trabalhar”.

Os ‘truques’ foram-lhe ensinados pela professora Inês Sofia.

Com 13 anos, Inês não tem pejo em escolher Amália, e os seus fados, como os seus preferidos. Claro que dentro destes, ‘Foi Deus’ assume o primeiro lugar.

RTP
A experiência de ir cantar, pela primeira vez, à televisão surgiu depois de a mãe (mais uma vez) ter visto o anúncio e decidido inscrever Inês. “Tivemos que mandar um vídeo, mas com a pandemia ficou tudo parado e só muito recentemente é que o concurso foi para a frente”.

Mandou o vídeo e foi selecionada para a primeira eliminatória que ganhou chegando á final. “Gostei muito de ir à televisão, apresentadores são muito simpáticos, é tudo muito organizado e até para ir à casa de banho é preciso desligar os microfones”.

Teve três dias para ensaiar. “Soube num domingo e na quarta feira tinha que estar lá. Só disse à minha turma, alguns professores e foi o meu professor de história que mandou uma mensagem a todas as turmas para votarem em mim”.

Claro que o fado escolhido para cantar na eliminatória foi ‘Foi Deus’ “até porque o vídeo que a minha mãe mandou é de um festival de talentos em Vila Verde onde cantei essa música”.

Experiência com guitarras
Até ir à televisão, Inês nunca tinha cantado com guitarras, “cantava com um instrumental que a minha mãe arranjava na internet”. Quando foi para ensaiar, “os músicos perguntaram-me se já tinha cantado com guitarras eu disse que não e eles ficaram surpreendidos se calhar a achar que não ia correr muito bem, mas felizmente correu.

Antes de entrar em direto fez dois ensaios para ver a luz e a posição no palco. “Eu cantei por volta do meio dia e antes do programa ir para o ar, fizemos um vídeo promocional e ensaiei duas vezes para me adaptar ao ritmo que eles tocavam, para ver onde incidiam as luzes”.

Final
Já a final foi preparada com uma semana de antecedência. “Não tinha música nenhuma preparada e escolhi ‘Nem às Paredes Confesso’ que preparei com afinco”.

Eu gosto muito de cantar fado, é uma grande paixão, no entanto, quero continuar os meus estudos normais e espero ter notas para entrar em Medicina. Gostava de ter uma carreira paralela e cantar em casas de fado, por exemplo”.

A verdade é que depois de ter ido à televisão, Inês vai cantando a pedido de alguns professores porque o seu foco “são os muitos testes e trabalhos que tenho de fazer”. Se aparecer outra oportunidade não diz que não: “tal como desta vez, consigo focar-me nas duas coisas ao mesmo tempo”: escola e fado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *